CANAL DA AÇÃO CULTURAL

Loading...

terça-feira, 25 de abril de 2017

Play list - Canções para entrar no clima da greve geral do dia 28/04/2017 e outros momentos de luta.


Contra um Brasil para poucos brasileiros.

Os descendentes dos traficantes de escravos e dos fazendeiros escravocratas querem o seu país de volta. 

O Brasil de antes de 1930. Sem direitos trabalhistas, com grandes resquícios de condições análogas ao trabalho escravo no campo.Com a maioria da população analfabeta e sem acesso aos bens culturais. 

Um país em que a lei era usada contra os adversários políticos e todo o tipo de arbitrariedade e proteção era usada a favor dos amigos dos coronéis políticos. 

Um país sem espaço para a participação das mulheres e da juventude. 

Um país desindustrializado e cujo mercado consumidor reduzido era ocupado pela produção importada. 

Um país cujas riquezas naturais e serviços públicos, em sua maioria estavam na mão de empresas estrangeiras, as quais fizeram de  tudo para retardar o desenvolvimento da indústria nacional, inclusive usando da estratégia de sabotagens e assassinatos, como fizeram com os empresários Barão de Mauá e Delmiro Gouveia.
 Zezito de Oliveira - Educador e Realizador/Produtor Cultural























A arte como ensaio ou laboratório para a (s) revolução (ões).

A arte tem a força dos oráculos ou dos profetas, porque pode prever ou antecipar futuros desejáveis ou indesejáveis. 

Através da criação artística, podemos antecipar o mundo que queremos, ou apresentar a nossa rejeição ao mundo que vivemos ou a alguns aspectos desse. 

A luta contra o sistema de dominação e dos poderes que insistem em sempre querer nos submeter, estar em afirmar a arte que antecipa o outro mundo que queremos.


Portanto, o processo de criação artística pode servir como uma grande oficina ou laboratório para gestarmos homens e mulheres novos,  ou então pode servir como reforço as velhas estruturas carcomidas, autoritárias e injustas.


Muitas das vezes isso está junto e misturado. Para ampliar o espaço emancipatório dos processos de criação artística, é importante considerar o valor dos estudos e discussões coletivas sobre história, filosofia, sociologia, psicologia e etc., concomitante a condução dos citados processos .


Isso obviamente só é possível, quanto mais a preocupação da arte como produto de mercado estiver em segundo plano. 


Daí porque, assistimos a uma tendência cada vez maior do mercado, em realizar todo o esforço possível para fazer prevalecer a arte que é gerada como produto da indústria cultural, visando o empobrecimento ético e estético da massa ou do povão.


Arte a serviço da alienação e como sustentáculo de sociedades injustas, desiguais e violentas é o que temos como prato do dia na maioria das emissoras de rádio e de televisão.


Os coletivos, organizações e movimentos sociais progressistas, tem a obrigação de criar espaços e oportunidades voltados para que possa ter voz, vez e lugar a  arte que anuncia outros mundos possíveis.

Do contrário, teremos muita dificuldade para garantir o que já conquistamos e avançar nas lutas a favor de novos direitos politicos, sociais e culturais.

Zezito de Oliveira - Educador e Realizador/Produtor Cultural 

Sugestões de outras canções serão incorporadas. Pode-se  fazer isso nos comentários.

sábado, 15 de abril de 2017

E a via sacra hoje?

Publicado no facebook  em 13 de abril de 2017.


Esta semana caminhando pelas ruas do Conj. Jardim comentava com um aluno, o quanto seria legal se a paróquia local colaborasse para a encenação da Paixão de Cristo, disse isso porque quando jovem,  acompanhava o frisson e o rebuliço que tomava conta de muitos outros adolescentes e jovens, que participavam do mega espetáculo da Paixão de Cristo no Bairro América, aqui em Aracaju.

 

Logo após o meu comentário ele me respondeu que isso acontecerá esse ano pela primeira vez. Respondi a ele, que bom! Mesmo com as ressalvas que estão justificadas no post abaixo.


Agora a pouco, uma das minhas ex e querida aluna, Paloma Tavares , publica a emoção de estar participando pela primeira vez de uma encenação da Paixão de Cristo na comunidade.

Uma dica como ação cultural para a prefeitura de Nossa Senhora do  Socorro, onde está localizado o Conj. Jardim: Preparar uma equipe de profissionais ligados as artes cênicas, incluindo os ligados a área de figurinos, sonoplastia, cenografia e etc., para organizar oficinas de 40h no mínimo, com representantes de grupos juvenis comunitários interessados em montar encenações da Paixão de Cristo em suas comunidades. Isso realizado em parceria com os párocos das igrejas católicas e pastores das confissões evangélicas interessados.

Pode-se começar neste segundo semestre de 2016 preparando adolescentes e jovens para atuar na linha de frente e da retaguarda dos autos de natal. Pode-se abrir inscrição para uma quantidade X de adolescentes e jovens de cada comunidade, o ideal é um minimo de 5, realizando oficinas em uma local pólo, ou escolher duas comunidades para que a equipe se desloque para trabalhar com todo o grupo de interessados.

Uma idéia que pode servir para Aracaju, São Cristóvão e outros municipios. Melhor assim, do que comprar "pacotes prontos" de grupos ou companhias teatrais estabelecidas, por razões que posso discorrer em outra oportunidade.

As ressalvas a que me referi: “E se as encenações da Paixão de Cristo não fossem tão quadradas? E se buscassem atualizar o drama e o sofrimento de Cristo, relacionando com o drama e o sofrimento de tantas mulheres e homens mundo a fora? Esta forma de intervenção espontânea do homem bebum, no vídeo que está abaixo, me lembrou o teatro do oprimido. 

Muito feliz por ter tido acesso a ele, pois há tempos não assisto a encenação da Paixão de Cristo, por considerá-las repetitivas, claro que devem se reportar ao passado, mas gosto muito de releituras e da atualização da história para nossas realidades e tempo presente.”

Após publicar o texto acima, assistindo ao jornal noturno da TVT , considero na reportagem abaixo que o argumento central apresentado fica  bem exemplificado.

Zezito de Oliveira - Educador e Realizador/Produtor Cultural.


Publicado em 14 de abr de 2017
Um grupo de atores da favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, encena os últimos momentos da vida de Cristo pelas ruas da comunidade. A reportagem da TV Brasil acompanhou o último ensaio do grupo, que se apresenta há 25 anos na comunidade. Esse ano, a falta de patrocínio quase impediu a apresentação. 

Noticia de um tempo quando a Visa Sacra da Rocinha recebeu patrocinio oficial.

Via Sacra da Rocinha 2011 ganha cenário e novo figurino

Espetáculo itinerante chega a sua 19º edição e será apresentado na Sexta-feira Santa, a partir das 20h.

Via sacra na Rocinha
Com patrocínio da Secretaria de Estado de Cultura e realização da Cia de Teatro Roça Caçacultura, acontece na sexta-feira da Paixão a 19ª Via Sacra da Rocinha. O espetáculo itinerante, que mistura religião e realidade, é montado nas próprias ruas da comunidade desde 1992, e anualmente atrai uma multidão para uma caminhada de 2,7 quilômetros pelo bairro acompanhando o espetáculo.

Este ano, a Via Sacra da Rocinha ganha ares ainda mais profissionais com cenário assinado por Dione Viegas e Lorena Sender – esta também responsável pelo novo figurino.

“Estamos usando elementos como, por exemplo, escadas medindo de 5 a 7 metros, em estrutura tubular, e telas que marcam pequenas ‘estações’. Os figurinos, para mais de 40 atores, interpretando dois ou três personagens, cada, se aproximam de uma estética operística. Tudo isso para compor as cenas que se integram à paisagem natural da comunidade em 2,7 km de espetáculo” – detalha a cenógrafa e figurinista Lorena Sender.

Para o diretor Aurélio Mesquita, existe hoje uma realidade diferente dos primeiros anos:
“Em termos de recursos, depois que a Secretaria de Estado de Cultura encampou o projeto como patrocinadora, em 2009, a Via Sacra da Rocinha ganhou mais visibilidade. Este ano a gente vai ter cenário, com a mesma equipe trabalhando também o figurino, junto com a iluminação do Marcos Ribeiro. Isso garante um espetáculo integrado, mais profissional. Mas o melhor é ver que, desde a sua criação, os jovens da favela são os protagonistas da celebração” – explica o diretor, morador da comunidade, teatrólogo e compositor.

A Via Sacra da Rocinha será realizada no dia 22 de abril, sexta-feira da Paixão, com início marcado para as 20h e duração prevista para três horas. Na ocasião, a Rocinha vai parar completamente para acompanhar o trajeto da Via Sacra pela comunidade, saindo do Largo do Boiadeiro e seguindo até a Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem. Ao todo, serão 22 cenas, que cobrem do batismo de Jesus até a sua ressurreição.
O espetáculo tem texto de José Maria Rodrigues reúne, principalmente, jovens da comunidade interessados na atividade teatral.

Ficha Técnica:
Patrocínio
Secretaria de Estado de Cultura
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Apoio cultural
(Associação de Moradores da Rocinha) UPMMR e AMABB
XXVII R A
Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem
Capela Nossa Senhora Aparecida
Texto: José Maria Rodrigues
Figurino: Profissional da Secretaria de Cultura
Maquiagem e Jóias: Zé luiz
Luz: Marcos Ribeiro
Som e Direção musical: Flavia Melo
Direção: Aurélio Mesquita
Realização: Grupo de Teatro Roça Caçacultura
Elenco:
1. Lucas Valentim – Jesus
2. Gleice uchoa – Maria
3. André Martins – Caifas
4. Fabrício Ferry – Pilátos
5. Vitor Robert – Salatiel
6. Julio Fernandes – Rei Herodes
7. Marcelo Araújo – João Batista
8. Gutemberg Batista – Apóstolo Judas
9. Renato Correia – Apóstolo Pedro
10. Stella de Paula – Fariseu 1
11. Leony Vidal – Doutor da Lei P. Judas
12. Pablo Vinicius – Profeta do Supermercado
13. Mara Zanett – Apóstolo João
14. Fabiana Leonel – Sacerdote
15. Sindila Lima – Negociante
16. Karoline Martins – Profeta Judas
17. Maria Marlene – Publicano
18. Silvia Souto – Fariseu 2
19. Jéssica Nascimento – Maria Madalena
20. Mazezita – Negociante Apóstolo
21. Susana Savedra – Publicano Apóstolo
22. Priscila Santana – Fariseu 3
23. Sonha Fernandes – Transeunte Morcego
24. Maria Rita – Filha da Maria
25. Ana Carla – Filha da Maria
26. Waldir Ferreira – Doente Filho da Madalena
27. Francisco Ronaldo – Testemunho
28. Jubileu Mesquita – Comandante da Tropa
29. Osvaldo Lopes – Discípula
30. Victor Souto – Povo
31. Celane Felipe – Verônica
32. Michele Rodrigues – Dançarina Rainha de Herodes
33. Edilaine Linhares – Dançarina mulher de Caifás
34. Fernanda Oliveira – Apóstolo
35. Rose Souza – Transeunte Morcego
36. Lady Batista – Transeunte Morcego
37. Luana Souza – Mulher de Pilátos
38. Natacha Ivo – Transeunte Morcego
39. Paloma Nunes – Ladrão bom
40. Jenny Lima – Apóstolo
41. Naira Maria – Povo ¿
42. Eliziane Trajano – Povo
43. Assuncena Gomes – Testemunha
44. Sasá Bezerra – Barrabás
45. Ana Julia – Transeunte
46. Janaina Karlécia – Povo
47. Reini Paula da Rocha – babá
SERVIÇO
Via Sacra da Rocinha
22 de abril (sexta-feira da Paixão), às 20h
Rocinha – Saindo do Largo do Boiadeiro e seguindo até a Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem.
Texto original publicado no SEC (Secretaria de Estado de Cultura)


Publicado em 19 de abr de 2016
Esse vídeo mostra o caminho do calvário percorrido pelo favelado para promover atividades culturais, ao revelar as dificuldades superadas pela equipe de atores e produtores da Via Sacra da Rocinha na realização do evento desse ano. Dentro da temática do espetáculo a favela é apresentada como o calvário contemporâneo, onde jovens negros e pardos padecem pelas mãos do Estado opressor e negligente.

Quando a realidade grita


 

Invadindo a cena no Teatro de Rua
Na noite de terça-feira, 19/04/11, atores encenavam a Paixão de Cristo no Largo do Carmo durante a Semana Santa de São João del Rei, quando um sujeito, indignado, resolve roubar a cena e agir em defesa de Jesus Cristo. Parte do elenco teve que agir de forma discreta para impedir que o simpatizante de Jesus atrapalhasse a apresentação.  
Geso Silva

Essa criança estava assistindo uma Encenaçao da Paixao de Cristo,entrou no cenario pra ajudar o ator que representava Jesus Cristo! Que linda imagem! Patricia Paula




  Leia também:

Play list Temática - A paixão de Cristo na paixão dos homens.

Jesus: a morte de um preso político e não um “sacrifício religioso” ou “expiatório”. Mauro Lopes e José Maria Castillo

 Diarista tem casa destruída em ação de reintegração sem aval da Justiça em SP

 noticia publicada em sábado, 15 de abril de 2017

"Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
1 bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo, não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.
"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça " é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado, não mais estranhos, mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)"


* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops * 


 http://oabsurdoeagraca.blogspot.com.br/


quinta-feira, 6 de abril de 2017

Vem aí a 3ª Jornada Ecologia e Espiritualidade com Roberto Malvezzi (Gogó)


  Esta irmã clama contra o mal que lhe provocamos por causa  do uso irresponsável e do abuso dos bens que Deus nela colocou. Crescemos pensando que éramos seus proprietários e dominadores,  autorizados a saqueá-la.”

Papa Francisco - Laudato Si’ (p.9)


            A 3ª Jornada Ecologia e Espiritualidade (3JE), acontecerá no periodo de 5 a 7 de maio e tem como realizadores a Ação Cultural, a paróquia São Francisco de Assis (bairro Santos Dumont),  a coordenação de CEBs  da Arquidiocese de Aracaju e o CEBI.  

 A 3JE será realizada na Comunidade Católica Bom Pastor,  localizada no bairro Santos Dumont, Aracaju.




Os horários são os seguintes:  
  
➤Sexta (05/05) – 19h30 às 22h  
➤Sábado (06/05) – 8h às 12h – 14 às 17h.  Noite Cultural.  20h30 às 23h30 
➤Domingo (07/05) - 8 às 13h

                 É uma iniciativa que busca colaborar  no processo de articulação e  formação politico pedagógica de uma rede de ativistas e educadores sociais,  que considerem de forma integrada, a arte, a ciência, a educação popular,  o conhecimento bíblico e as diversas tradições espirituais, como bases metodológicas e éticas para a compreensão e comprometimento com as causas ambientais nos tempos atuais.


            O projeto é direcionado para agentes e animadores de comunidades, pastorais e movimentos religiosos, além de educadores, estudantes e  integrantes de  movimentos, organizações e coletivos  sociais, culturais e ambientais.


             A programação da 3JE-2017 será composta de mesa redonda, exposição dialogada, rodas de conversa e  noite cultural (apresentações e exposições artísticas e  roda de danças circulares).

           A mesa redonda de abertura  contará com a participação de:

  Matheus Caetano. Psicólogo de formação, terapeuta corporal, trabalha com permacultura e gestão de projetos sustentáveis na Ong Sahude. Discorrerá sobre o tema Permacultura
Antônio Wanderley de Melo Corrêa. Licenciado em História pela UFS, professor das redes públicas Estadual (SEED) e Municipal de Aracaju (SEMED/PMA) e militante do Movimento Ambientalista Jabotiana Viva. Discorrerá sobre as ações do movimento Jabotiana Viva.
   Hugo Sidney. Jornalista, autor de textos para livros fotojornalisticos com temática ambiental. "Do Litoral ao Sertão- Sergipe em Imagens" e "Patrimônio Ambiental Sergipano", focando nas riquezas naturais encontradas em Sergipe com suas peculiaridades. Discorrerá sobre o conteúdo apresentado nos dois livros citados.


         A assessoria da 3JE 2017, estará a cargo do teólogo, filosofo, compositor e músico Roberto Malvezzi (Gogó), o qual desde os anos 70 reside em Juazeiro, no sertão baiano.        

        Em seu histórico sintetiza uma atuação de organização social através da música.  Nas suas composições, incorpora  ritmos da rica tradição musical  brasileira, combinando  com a poesia de louvor a criação, assim como pela critica a quem não sabe cuidar ,  além de atuar como pesquisador palestrante e escritor de artigos críticos sobre as questões do meio ambiente. 

         Contribuiu  diretamente na elaboração da Campanha da Fraternidade de 2017, cujo tema são os biomas brasileiros. Dentre os seus trabalhos musicais, destacam-se o CD “Belo Sertão”.

      
   Para saber mais sobre Roberto Malvezzi, clique AQUI

Para acessar a página da Ação Cultural no facebook. AQUI

Como foram as primeiras JE? 

para acessar clique em cima dos titulos destacados com a cor azul ou lilás.


2ª Jornada Ecologia e Espiritualidade. Edição 2012.


 O gospel socio-ecológico de Roberto Malvezzi 


EQUIPE DE ORGANIZAÇÃO: Pe. José Soares, Zezito de Oliveira, Irene Smith, Narcizo Machado, Eli Ferreira,  Edjane Paixão, Ana Rita, Eliana Ferreira, Rafael Júlio.
 APOIO:
    Arquidiocese de Aracaju – Cáritas Arquidiocesana –   Comunidade Bom Pastor - Rádio Cultura – Gráfica Farias – Clinica Dermo Estética -  Mercearia Bela Bela – Afra Material de Construção – Afra Supermercados – Centro Educacional Futuro Feliz (CEFF ).

 -----------------------------


 As Jornadas Ecologia e Espiritualidade (JE) foram realizadas  um pouco antes do inicio do pontificado do Papa Francisco, mais precisamente nos anos de 2011 e 2012. O post abaixo no portal overmundo, é o primeiro  de divulgação da 1JE. Com a eleição do Papa Francisco e a edição da Laudato Si (Louvado Seja) agora é só alegria!! Pois a realização das JE conta com um aval e endosso valioso.

Ecologia com arte e com as tradições espirituais. 




--------------------------------
 

Para ouvir e/ou baixar o CD completo, clique   http://robertomalvezzi.com.br/albuns/belo-sertao/

ÁGUA DE CHUVA

Muitos canções foram e são fundamentais na cultura semi-árida. 

São artisticamente originais e lindas, socialmente densas, registram a crueldade da realidade, a manipulação política, mas não apontam saídas, exatamente porque na época em que foram escritas, não se tinha claro as saídas. 

Mas hoje elas existem. Por isso, sem a pretensão de alcançar o nível artístico desses homens, já se faz música falando da convivência com o semi árido, afirmando claramente que a vida aqui é possível sempre, com dignidade, desde que a adaptação ao ambiente seja feita com respeito a natureza e associando-se a ela, não combatendo-a. 

Um dos segredos chaves da convivência com o semi-árido é guardar a água no momento das chuvas e tê-la nos momentos em que naturalmente não chove.
Ouça e baixe: O botão do play está logo abaixo da foto. Para baixar localize a seta no lado direito, em cima.
http://www.overmundo.com.br/banco/agua-de-chuva-1

Artistas participantes do CD Belo Sertão.
Sobre o CD Belo Sertão.

 

  







BELEZA ILUMINADA

A cena das mulheres carregando suas latas de água na cabeça é clássica. A beleza rude da cena não pode ocultar todo o sofrimento imposto ao corpo feminino. Começando desde criança, as mulheres carregarão em sua pele, em seus músculos, em seus ossos a dureza desse trabalho repetitivo e pesado. 

Com o passar dos anos alargam-se os ombros, enrijecem-se as batatas das pernas, aparecem os problemas de coluna. A cena, porém, tem sua beleza. 

Caminhando esguias e retilíneas, forçadas pelo equilibrio da lata d'água sobre a cabeça, é praticamente um desfile sobre as estradas calcinadas do sertão. 

Para alguns também é um momento em que as mulheres se encontram a sós, longe dos homens e onde podem conversar a vontade seus problemas pessoais.

 http://www.overmundo.com.br/banco/beleza-iluminada




Músicas do CD "Marias" de Roberto Malvezzi.

 
-------------------------------- 
VOA PASSARINHO
 
A noite cultural da 3JE no sábado, contará com a presença de diversas atrações artisticas comunitárias, inclusive de adolescentes aprendizes das oficinas culturais da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, como o autor da canção abaixo.

"Não faz muito tempo, fui pescar com uns amigos no Rio do Sal com duas canoas. Eu fiquei sozinho mais próximo a margem, enquanto eles foram mais para o meio do rio.

 Fiquei na outra canoa pescando e aí veio um passarinho que vinha e voltava. Tentei afastá-lo diversas vezes, até pedi que ele fosse embora, mas não adiantou, demorou em um vai e não vai e, só depois de algum tempo é que voou para distante.

Depois empurrei a canoa mais para o meio, peguei o remo e fiquei sentado em cima do lado da frente da canoa, admirando a beleza da natureza toda florida, os galhos do mangue  e  um bocado de passarinhos. Nessa de empurrar a canoa, acabei enganchando o meu pé dentro da lama, em um pedaço de caixa de televisão.

Foi disso tudo que veio a inspiração para a canção.'
P.S.: O Rio do Sal, recebe este nome porque entra em contato com as águas do mar. Atravessa os municípios de Socorro e Aracaju."

Texto MC César Levine's, com a colaboração do professor Zezito de Oliveira 
Clique abaixo para ouvir a canção.
https://soundcloud.com/zezito-de-oliveira/voa-passarinho


VOA PASSARINHO César Levine's

Outra presença garantida na noite cultural da 3JE é as danças circulares. No vídeo abaixo você fica sabendo o que é e como são realizadas. A focalização ficará a cargo de Maxivel Ferreira e Maria Margarette.


INFORMAÇÕES ÚTEIS

Para fazer a pré-inscrição da  3ª JORNADA ECOLOGIA E ESPIRITUALIDADE  via internet



Nome:.......................................................................................................



E-mail:..................................................................................Fone/Celular...........................



Movimento, organização ou coletivo ......................................

Taxa: R$40.00 - Esse taxa de valor simbólico com direito a alimentação e hospedagem (para alguns)  só está sendo possivel,  graças a uma rede de parceiros e voluntários.
Quem puder colaborar com um valor maior, ajuda  na garantia de isenção parcial ou total para adolescentes e jovens.

Copie,  cole, preencha e envie para

zezitodeoliveira@gmail.com 

 Para depósito: Agencia 1224-6 – Banco do Brasil
C/C 35811-8
Irene S. S. Correa

Tire foto do comprovante e envie para o e-mail ou zap. Preferencialmente para o primeiro.


VAGAS LIMITADAS.

Hospedagem: Os participantes do interior que desejarem, serão acolhidos em instalações na própria comunidade bom pastor

 Neste caso, esta informação deve ser repassada   por meio de observação na ficha acima. 

COMO CHEGAR 

A comunidade bom pastor está localizada próximo ao Terminal Rodoviário da Av. Maracaju, no bairro Stos. Dumont. Ao sair do terminal ou passar de carro deverá seguir a Av. Benjamim Constant (a que passa em frente ao Terminal Maracaju), sentido Soledade, Lamarão e Conj. João Alves, e entrar na segunda rua a direita após o terminal, na esquina desta segunda rua encontra-se a Igreja Adventista. Esta rua é a Efrem Fernandes Fontes, no numero 65 está localizado a comunidade bom pastor, que fica localizada a 400 metros da Igreja Adventista.

🏃🏾Se você vem do Terminal DIA, poderá pegar o onibus 040 e 020 e descer no TERMINAL DA MARACAJU.

🏃🏽‍♀Se vier da Rodoviária Nova deverá pegar o 040 do lado do banheiro e descer no TERMINAL MARACAJU.


🏃🏾Caso venha do Terminal do Mercado poderá tomar os onibus 002 e 003, e descer no TERMINAL MARACAJU.

 
🏃🏽‍♀ Caso venha do Terminal do MF2 pegar o 040 e descer no TERMINAL MARACAJU.



1 - Quem vem do municipio de Socorro pela Av. Euclides Figueiredo, ou da Região Sul de Aracaju, também pela mesma avenida entra no trecho indicado na Av. Benjamin Constant e depois  no local indicado no mapa;
2 - Quem vem da região norte ou centro de Aracaju pela Av. Juscelino Kubistchek  ou Visconde  de Maracaju, passa do terminal e  segue na Benjamin Constant e entra no local indicado: 

Obs: na esquina da rua indicada a entrar, a Efren Fernandes Fontes, há uma Igreja Adventista.
                       
 Linhas que passam no Terminal Maracaju

002 - Fernando Collor/ Dia
003 - João Alves/ Orlando Dantas
003A - João Alves/ Atalaia
005 - Maracaju/ Dia
010 - Lamarão/ Atalaia
020 - Piabeta/ Dia
030 - Marcos Freire I e III/ Dia
040 - Marcos Freire II/ Dia
040A - Marcos Freire II/ Atalaia
050 - Campus/ Hospital Universitário
063 - Albano Franco/Osvaldo Aranha
101 - Parque São José/ Maracaju
102 - Soledade/ Maracaju
104 - Pousada Verde/ Maracaju
200-01 - Circular Indústria e Comércio 01
200-02 - Circular Indústria e Comércio 02
607 - Maracaju/ Centro

Observações:

A - Somente Domingos e Feriados.
01 e 02 - Mesma linha só muda o itinerário no bairro em questão.


Quer saber em quais terminais você pega essas linhas? Acesse:
http://busaracaju.blogspot.com.br/p/blog-page_9605.htm





Ouça uma seleção de canções que tem relação com a Enciclica Laudato Si. Outras sugestões podem ser proposta nos comentários.

Play list - Laudato Si: Como cuidar da criação - Enciclica do Papa Francisco

outras play lists aqui

Ecologia integral. A grande novidade da Laudato Si'. "Nem a ONU produziu um texto desta natureza''. Entrevista especial com Leonardo Boff
O conceito de ecologia integral é "o ponto central da construção teórica e prática da Laudato Si". Receio que ela não seja entendida pela grande maioria colonizada mentalmente apenas pelo discurso antropocêntrico de ambientalismo, dominante nos meios de comunicação social e infelizmente nos discursos oficiais dos governos e das instituições internacionais como a ONU. Como o novo paradigma sugere, todos formamos um grande e complexo todo", afirma o teólogo e escritor. LEIA AQUI  
Publicada a Laudato si: como cuidar da criação - leia a íntegra em português
Cidade do Vaticano (RV) - «Que tipo de mundo queremos deixar a quem vai suceder-nos, às crianças que estão a crescer?»  Este interrogativo é o âmago da Laudato si’, a aguardada Encíclica ecológica do Papa Francisco. (Clique para ler na íntegra em português).


O nome foi inspirado na invocação de São Francisco  «Louvado sejas, meu Senhor», que no Cântico das Criaturas recorda que a terra «se pode comparar ora a uma irmã, com quem partilhamos a existência, ora a uma mãe, que nos acolhe nos seus braços». Agora, esta terra maltratada e saqueada se lamenta e os seus gemidos se unem aos de todos os abandonados do mundo.

No decorrer de seis capítulos, o Papa convida a ouvir esses gemidos, exortando todos a uma «conversão ecológica», a «mudar de rumo», assumindo a responsabilidade de um compromisso para o «cuidado da casa comum».

O Pontífice se dirige certamente aos católicos, aos cristãos de outras confissões, mas não só: quer entrar em diálogo com todos, como instrumento para enfrentar e resolver os problemas.

Eis alguns temas analisados na Encíclica:

As mudanças climáticas

«As mudanças climáticas são um problema global com graves implicações ambientais, sociais, econômicas, distributivas e políticas, e constituem um dos principais desafios atuais para a humanidade». Se «o clima é um bem comum, um bem de todos e para todos», o impacto mais pesado da sua alteração recai sobre os mais pobres.
 

A questão da água

O Pontífice afirma claramente que «o acesso à água potável e segura é um direito humano essencial, fundamental e universal, porque determina a sobrevivência das pessoas e, portanto, é condição para o exercício dos outros direitos humanos». Privar os pobres do acesso à água significa «negar-lhes o direito à vida radicado na sua dignidade inalienável».
 

A dívida ecológica

No âmbito de uma ética das relações internacionais, a Encíclica indica que existe uma verdadeira “dívida ecológica”, sobretudo do Norte em relação ao Sul do mundo. Diante das mudanças climáticas, há «responsabilidades diversificadas», e as dos países desenvolvidos são maiores. O Papa Francisco se  mostra  impressionado com a  «fraqueza das reações» diante dos dramas de tantas pessoas e populações.
 

A raiz humana da crise ecológica

O ser humano não reconhece mais sua correta posição em relação ao mundo e assume uma posição autorreferencial, centrada exclusivamente em si mesmo e no próprio poder. Deriva então uma lógica do «descartável» que justifica todo tipo de descarte, ambiental ou humano que seja.
 

Mudança nos estilos de vida

A Encíclica retoma a linha proposta na Evangelii Gaudium: «A sobriedade, vivida livre e conscientemente, é libertadora». O Papa propõe mudanças nos estilos de vida, através da educação e da espiritualidade. Uma educação ambiental que incida sobre gestos e hábitos cotidianos, da redução do consumo de água, à separação do lixo até «desligar luzes desnecessárias». Para Francisco, «uma ecologia integral é feita também de simples gestos quotidianos, pelos quais quebramos a lógica da violência, da exploração, do egoísmo». O Pontífice recorda, porém, que tudo isto será mais fácil a partir de um olhar contemplativo que vem da fé: «O crente contempla o mundo, não como alguém que está fora dele, mas dentro, reconhecendo os laços com que o Pai nos uniu a todos os seres».

 
O coração da proposta da Encíclica é a ecologia integral como novo paradigma de justiça; uma ecologia «que integre o lugar específico que o ser humano ocupa neste mundo e as suas relações com a realidade que o circunda».
 

A esperança permeia todo o texto e, segundo Francisco, não se deve pensar que esses esforços não mudarão o mundo. A crise ecológica, portanto, é um apelo a uma profunda conversão interior. Pode-se necessitar de pouco e viver muito. (BF)


Fonte:  http://www.news.va/pt/news/publicada-a-laudato-si-como-cuidar-da-criacao-leia

---------------------------------------------- 

Envia teu espírito e haverá criação: Reflexões sobre ecologia e Bíblia.

A preocupação com a ecologia, com o meio ambiente parece ser, hoje, um fato indiscutível e que deve sempre ser levado em conta. A teologia, a hermenêutica bíblica, a moral entraram com força nesta reflexão que cinquenta anos atrás, no Concílio Vaticano II, nem mesmo estava em pauta.
O que diz a Bíblia sobre as questões ecológicas? Quantas vezes nestes últimos anos ouvi esta pergunta! E não há como esconder que os textos bíblicos dizem uma coisa e se contradizem logo em seguida, uma vez que provêm de ambientes diferentes, com preocupações e projetos diversificados.
Editora: CEBI
Número de páginas: 243

Autoria/Organização
Sandro Gallazzi e Anna Maria Rizzante
 R$61,50
Para adquirir clique AQUI
-----------------------------------------------
“No mundo inteiro há uma ascensão da direita. E a direita não tem sonhos, só tem força e violência. (…) Vocês são aqueles condenados a ter sonhos, porque vocês são violados, desprezados e humilhados. E a defesa de vocês é sonhar um outro mundo, não só diferente, mas um mundo necessário.”

Leonardo Boff esteve em Curitiba esta semana e nos recebeu carinhosamente para conversamos sobre a conjuntura política, a ascensão da direita e a resistência dos movimentos sociais, o futuro da América Latina e o nosso papel na luta contra o neoliberalismo no continente.

Assista agora a primeira parte da nossa conversa com o Boff e compartilhem nas melhores timelines as sábias palavras do grande mestre! :)

*Agradecimento especial à Camila Bermúdez por nos ajudar na construção do vídeo. Ao Antônio Carlos Moreira e à equipe do Instituto Edésio Passos pelo o apoio para a realização desta entrevista!
 publicado em 7 de abr de 2017

Assista a parte II e a parte III da entrevista no canal acima.