CANAL DA AÇÃO CULTURAL

Loading...

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Tempo de alegria e de festejar!! Apesar de tudo. Venha para a 2ª mostra artistica da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania.




Programação da 2ª Mostra Artistico-Cultural da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania.

18h  
1 - Dançando Ciranda Pernambucana na entrada (hall) do teatro. 10’
Exposição fotográfica temática "flora e fauna do parque da sementeira". Alunos da 1ª turma da oficina de auviovisual 2016. - Na entrada (hall) do teatro.
2 - 18h15 – Inicio no palco
– Canto a capela do hino da bandeira que é comemorado neste dia.
_Exibição de clips musicais citando Zumbi com Edson Gomes e Martinho da Vila.    10’
3 Apresentação da oficina de teatro do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania com o espetáculo “Vamos Festejar”.30’
“O roteiro da apresentação teatral “Vamos Festejar” não tem um texto, mas um pretexto para que as crianças e adolescentes expressem um leque de emoções.
As datas comemorativas de nosso calendário nos oferecem personagens e climas variados como a alegria do ano novo e carnaval, a ludicidade do Dia de Reis, Dia do Circo ou Dia das crianças... reflexões sobre 13 de maio, Tiradentes entre outras datas históricas...
É neste desfile de foliões carnavalescos e personagens históricos que apreciaremos estes talentosos atores mirins expressando suas emoções.
O desafio foi conciliar crianças em primeiros anos escolares com pré- adolescentes que já dominam a leitura... o bom resultado foi integrar expressão não verbal com declamação de trechos de “O Navio Negreiro” de Castro Alves, porexemplo.
Um apreciador atento e sensível captará nas cenas a emoção sem afetações emanando pelo prazer de realizar atividades de dança, canto e acrobacias! Dito isto, então: “VAMOS FESTEJAR”!

4 - Exibição do filme  “Jardim Documentário de Fernanda Almeida – 22’
“Jardim” conta a história da comunidade que tem mais de 30 anos, percorre assuntos como: a violência dentro do conjunto, o preconceito por ser morador, as vivências religiosas na comunidade e o sentimento de pertencimento dos moradores.
5 - Apresentação dos curtas produzidos na 1ª etapa da  oficina de audiovisual do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania 2016 . 10’
6 - Apresentação de MC César Levine’s, aprendiz da oficina de Rap 2016. 10’
7 - Apresentação do aprendiz da oficina de Rap 2016 Paulo Junior e dos instrutores da oficina David, Wilian e Van Brow (Grupo Filosofia de Loucos). 15’ 
8 - Apresentação  musical de Lucimar Santos com a música Flashlight de Jessie J. 3’ 
9 - Apresentação do grupo de teatro da turma do 3º ano ensino médio, do Colégio Edélzio Vieira de Melo de Santa Rosa de Lima. Apresentação adaptada   do texto  À Direita de Deus Pai de Enrique Buenaventura. 20’
"À Direita de Deus Pai" é uma comédia em que Buenaventura bebe em fontes medievais. Não à toa, o original traz o subtítulo "Mojiganga", ou folguedo. Esse misto de farsa e auto religioso conjuga o humano e o divino por meio de personagens como Jesus, Diabo, São Pedro e Peralta.

10 - Apresentação da oficina de dança moderna do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania. 15’
11 - Apresentação do grupo de dança Pop Star, com a  coreografia “Mix. De tudo um pouco”. Funk, Moderno e Ballet – 5’

01 de Novembro de 2016

19 dias com um texto diferente chamando as pessoas para participarem da 2ª mostra cultural no Teatro Lourival Batista , acrescido de um link com uma canção, poema ou pintura, que foram ou que podem servir como fonte de inspiração para o trabalho social com arte-educação. Cada dia publicaremos um post desse tipo.
O Ponto de Cultura Juventude e Cidadania é Sonho e Realidade.
É o sonho de viver em uma comunidade e em uma cidade com muito mais amor, justiça, solidariedade, união, respeito, afeto e criatividade.
É realidade porque quando realizamos oficinas culturais e cineclube experimentamos um pouco disso.
Quem quer conhecer como estamos fazendo e somar com a gente, para fazer com que aumentamos essa rede, essa roda de ação cultural na periferia e colaborar para diminuirmos a distância entre a realidade e o sonho, que tal aparecer no dia 19 de Novembro, sábado, das 18 às 21h, no Teatro Lourival Batista?
Neste dia estará sendo realizada a 2ª Mostra da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, que contará com apresentações do resultado da produção cultural das oficinas e de outras iniciativas culturais parceiras.
Uma canção e um artista que nos inspira. Detalhe. A canção abaixo foi tema de uma coreografia criada por Cristiane dos Anjos, há cerca de 12 anos, parceira de primeira hora do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, no tempo em que a iniciativa se chamava Projeto Ecarte.

--------------------------------------------------------
2 de novembro de 2016
Venha prestigiar a 2º Mostra Cultural da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania – Apresentação do resultado da produção cultural das oficinas e de outras iniciativas culturais parceiras.
Local: Teatro Lourival Batista – Siqueira Campos
Data: 19 de Novembro, das 18 às 21h

MOVIMENTO TROPICÁLIA
“Eu organizo o movimento, eu oriento o carnaval" Tropicália de Caetano Veloso.

O movimento Tropicália ou movimento Tropicalista, surgiu no contexto do golpe militar, sob influência do declínio cultural da bossa nova, objetivando mesclar diversas tendências musicais. Não era uma nova modalidade musical, mas possibilitava renovação no modo de agir e participar no cenário cultural nacional, com ares críticos e transformadores.
A grande inovação do tropicalismo foi a junção de vários gêneros musicais como, por exemplo, rock, bossa nova, baião, samba e bolero. Críticos do movimento nos anos 60, faziam suas observações contrarias, entre outras razões, pois o tropicalismo não tinha o objetivo principal de utilizar a música como arma diretamente contra o cenário político institucional, e sim, utilizar a poesia elaborando críticas sociais sobre temas do cotidiano.
As oficinas culturais do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania tem inspiração no Movimento Tropicália, porque trabalha com um conceito de diversidade cultural que inclui referenciais de nossas tradições populares, misturados com referencias da música pop contemporânea, sem deixar de incluir alguns traços do clássico ou do erudito. É isso que será mostrado no dia 19 de novembro. Outra razão especial para lembrar a Tropicália é o fato dos Pontos de Cultura ter sido uma ação de politica cultural que foi implantada e estimulada, a partir da gestão do ministro da cultura Gilberto Gil, considerado o grande líder do movimento tropicalista, juntamente com Caetano Veloso.
------------------------
19 dias com um texto diferente chamando as pessoas para participarem da 2ª mostra cultural no Teatro Lourival Batista , acrescido de um link com uma canção, poema ou pintura, que foram ou que podem servir como fonte de inspiração para o trabalho social com arte-educação. Cada dia publicaremos um post desse tipo. Compartilhem!!!

O texto acima foi produzido por Daniel Ferreira, assim como a escolha da canção. Aprendiz da oficina de audiovisual. A edição e acréscimos complementares foi realizada pelo educador e realizador/produtor cultural Zezito de Oliveira.



Caetano Veloso- Tropicalia
----------------------------
3 de Novembro de 2016
O AUDIOVISUAL também terá seu espaço de destaque na 2ª mostra artistica da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, que realizar-se-á no dia 19 de novembro, no Teatro Lourival Batista, das 18 às 21h, quando apresentaremos Jardim Documentário, trabalho de conclusão do curso de audiovisual da UFS, dirigido por Fernanda de Almeida, "Gonzaga me convidou pra dançar"(2012), uma das três primeiras produções da oficina de audiovisual sob a coordenação de Marcel Magalhães e os curtas produzidos na edição 2016 das oficinas culturais, também sob a coordenação de Marcel Magalhães.
O curta abaixo, mostra como foi o processo de realização da primeira oficina.
----------------------------------
Os Pontos de Cultura são parte estruturante do programa de política pública cultural intitulado Cultura Viva - Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania, instituído em julho de 2004 pelo Ministério da Cultura na gestão de Gilberto Gil (2003-2008), durante o governo de Luís Inácio Lula da Silva. Seu objetivo enquanto política pública de cultura é o de impulsionar e conectar ações culturais já existentes em diversas comunidades espalhadas pelo Brasil, ou nas palavras de Gilberto Gil, “fazer uma espécie de ‘do-in’ antropológico, massageando pontos vitais, mas momentaneamente desprezados ou adormecidos, do corpo cultural do pais”.

A concepção do Programa Cultura Viva, enquanto política pública de cultura, tem sido observada por autores como Antonio Canelas Rubim (2008) como uma quebra nas formas pelas quais tradicionalmente os governo s brasileiros formularam suas políticas culturais. Isso se deve basicamente à utilização de um conceito ampliado de cultura, dito “antropológico”, como também o modo pela qual a relação entre Estado e sociedade foi concebida pelo Programa, proposta em forma de parceria, utilizando como parâmetros os conceitos de autonomia, empoderamento e protagonismo social, encontrados na obra de Paulo Freire (1980; 1983; 1986; 1996).
Nesse sentido, a política cultural do Cultura Viva propõe a construção de um processo inclusivo e democrático com entidades e sujeitos participantes, e a inserção, para além da tradicional cultura erudita, de outras modalidades de cultura, como objeto das políticas públicas culturais, tais como as culturas populares; afro-brasileiras; indígenas; de gênero; das periferias; da mídia audiovisual; das redes informáticas, etc.
Um terceiro fator de inovação pode ser encontrado dentro da proposta dos Pontos de Cultura: a utilização de um modelo comunicacional que busca nos recursos da cultura digital um sistema capaz de constituir uma rede orgânica e horizontal de criação, difusão, recepção e gestão cultural”. A fundamentação teórica para este modelo é encontrada nos conceitos de liberdade, colaboração, compartilhamento e generosidade intelectual advindos da cultura hacker (CASTELLS, 2003).
Seguindo as orientações da Cultura Digital – uma das quatro ações de trabalho do Cultura Viva - , cada Ponto de Cultura é equipado com pequenos estúdios de produção digital de imagem e som, providos com Softwares livres, conectados à Internet via banda larga, para que, independentemente da expressão cultural desenvolvida pelo projeto – seja literatura, dança, artes plásticas ou artesanato – os protagonistas das ações culturais sejam capacitados a distribuir suas próprias imagens e sons através da rede de Pontos de Cultura e conseqüentemente, na rede mundial de computadores.
Neste sentido, a construção da rede entre os Pontos de Cultura pretende se dar em grande parte através de produtos culturais como vídeos, web-rádio, sites, fotografias e músicas, criados a partir de equipamentos multimídia disponibilizados pelo governo, permitindo uma troca de informações através da rede virtual de computadores. Graças as essas características tecnológico-culturais dos Pontos de Cultura, a produção audiovisual constitui-se como uma das principais ações desenvolvidas pelos Pontos de Cultura.
O texto acima foi extraído da dissertação de mestrado de ESTER MARÇAL FÉR, intitulada O AUDIOVISUAL NA REDE DOS PONTOS DE
CULTURA DA GRANDE SÃO PAULO.


Ponto de Cultura - RECAP É um vídeo de recapitulação de todo o processo de construção e experiência audiovisual das turmas 01 e 02, ano 2012, da oficina de a...
youtube.com

------------------------------------------------


4 de novembro de 2016 
19 dias com um texto diferente chamando as pessoas para participarem da 2ª mostra cultural no Teatro Lourival Batista , acrescido de um link com uma canção, poema ou pintura, que foram ou que podem servir como fonte de inspiração para o trabalho social com arte-educação. Cada dia publicaremos um post desse tipo. Compartilhem!!!
COMIDA, foi uma das primeiras canções coreografadas por Cristiane dos Anjos para o Projeto Ecarte, precursor do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania. Isso foi nos idos de 2002/2003. Um pouco desse trabalho pode ser conferido na reportagem realizada pelo extinto programa Sergipe Comunidade, da Tv Sergipe, retransmissora local da Rede Globo. Vale a pena ver de novo para quem já assistiu e quem não assistiu, não irá se arrepender.
https://www.youtube.com/watch?v=RPXDVpZl_IE
Acreditamos que com arte de qualidade as nossas periferias seria um local melhor para se viver. Que tal conversarmos com os novos prefeitos e vereadores eleitos sobre isso?
Comida - Titãs
A gente não quer só comida
A gente quer comida
Diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída
Para qualquer parte...
A gente não quer só comida
A gente quer bebida
Diversão, balé
A gente não quer só comida
A gente quer a vida
Como a vida quer...
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?...
A gente não quer só comer
A gente quer comer
E quer fazer amor
A gente não quer só comer
A gente quer prazer
Prá aliviar a dor...
A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer dinheiro
E felicidade
A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer inteiro
E não pela metade...
Diversão e arte
Para qualquer parte
Diversão, balé
Como a vida quer
Desejo, necessidade, vontade.

----------------------------------------------------------
19 dias com um texto diferente chamando as pessoas para participarem da 2ª mostra cultural no Teatro Lourival Batista , acrescido de um link com uma canção, poema, pintura ou audiovisual, que foram ou que podem servir como fonte de inspiração para o trabalho social com arte-educação. Cada dia publicaremos um post desse tipo.
. https://www.youtube.com/watch?v=b_4KU7ybwoo

 --------------------------------------------------
5 DE NOVEMBRO DE 2016
A ARTE E A CULTURA É O QUE FAZ TORNAR SUPORTÁVEL a vida escolar para milhões de alunos e milhares de professores em meio a infra estrutura precária, gestões autoritárias, às vezes dissimuladas e engessadas burocraticamente, além do pouco comprometimento com a educação pública em muitos casos, educação pública de qualidade, de fato e de direito. Das escolas até o MEC, passando pelas secretarias da educação. A despeito das muitos tentativas bem sucedidas ou não, para mudar esta realidade. AS OCUPAÇÕES NAS ESCOLAS TEM DEIXADO ISSO BASTANTE EVIDENTE.
O perigo é a arte e a cultura ser utilizada dentro da escola, segundo a lógica da sociedade de consumo e da sociedade do espetáculo. Como tem sido mais comum do que pensamos ou sabemos. A arte e cultura como forma de alienação e distração, como forma de propaganda de gestão e de limitação do universo cultural de crianças e jovens. A cultura do entretenimento, a cultura da ostentação, a reprodução dos modismos da indústria cultural, dificultando com isso a formação do senso critico no meio do alunado, tanto no campo artístico/estético, como no campo social/politico.
O Ponto de Cultura Juventude e Cidadania busca realizar um trabalho de arte-educação na perspectiva defendida pelo adolescente Ezequiel Sena, conforme a opinião expressa no meme abaixo. E isso não é fácil, pois é um trabalho de contra cultura. Mas nos estamos aí, como diz a canção da banda Cidade Negra: https://www.youtube.com/watch?v=V4zBsrEpQm8
--------------

19 dias com um texto diferente chamando as pessoas para participar da 2ª Mostra Artistica da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, no dia 19 de novembro, no Teatro Lourival Batista, das 18 às 21h. Postagens acrescida com imagens e/ou link de uma canção, poema, pintura ou audiovisual, que foram ou que podem servir como fonte de inspiração para o trabalho social com arte-educação. Cada dia publicaremos um post desse tipo
A imagem pode conter: 1 pessoa , fumando e texto
--------------------------------------------------
6 DE NOVEMBRO DE 2016 ⁠⁠⁠OS ACENDEDORES DE MANHÃS - Joan Edesson de Oliveira *
Ah! Esses meninos. Ah! Essas meninas.
Espalham-se pelas ruas, pelas escolas, pelas universidades. Não se contentam mais em esperar pelo amanhã, não querem apenas, como deles dizia Máximo Górki, ter a face do amanhã. Têm sede de hoje, estão famintos pelo agora.

Quem são esses meninos, que ocupam o Brasil, que transbordam em sua juventude e em sua rebeldia, que não podem mais ser escondidos, por mais que tentem? São herdeiros de outros meninos, em lugares e em tempos tantos da nossa história. São herdeiros daquele menino baiano Antônio de Castro Alves, abolicionista e republicano, voz tão poderosa a pregar aos séculos que “toda noite tem auroras” e a dizer aos moços como ele que “não tarda a aurora da redenção”. Descendem eles do menino alagoano Zumbi, que imberbe ainda comandou homens e sonhou a liberdade.
Quem são essas meninas, buliçosas e de olhar tão vivo, que transpiram beleza e coragem, que erguem a voz doce e firme em tribunas hostis, obrigando velhos conservadores a desviar o olhar, envergonhados e derrotados, por mais que se vistam de vencedores? São descendentes diretas daquela menina Anita Garibaldi, que aos dezoito anos fazia guerra e amor, incendiando o sul do Brasil com a chama da liberdade. Elas vêm da baiana Maria Quitéria, pondo em fuga o opressor português. Vêm de outra baiana, Maria Bonita, que aos vinte anos armou a ternura e alou-se em lenda na caatinga sertaneja.
Por que despertam tanto ódio nas elites, por que são tão atacados? Não são um exército com tanques, mísseis, fuzis. Não são uma força estrangeira a nos invadir. Qual o perigo que representam, então? Por que jornais e emissoras de TV se empenham tanto em atacá-los? Por que representantes de um governo ilegítimo, velho, machista e misógino, atacam com tal força essas meninas que discursam? Por que recrutam milícias que parecem integralistas saídos de um mofado livro de história para atacar esses jovens?
É que esses meninos, essas meninas, riso solto e gargalhada livre, são uma grande ameaça. Os alicerces desse edifício secular das classes dominantes tremem ante o riso deles, temem a sua gargalhada. Mas acima de tudo, o que causa temor mesmo são os sonhos desses meninos e meninas. Sim, eles sonham. Sonham com educação de qualidade, sonham com justiça, sonham com uma polícia que não seja executora da juventude, sonham com um Brasil novo e têm a mais pura e justa certeza de que o novo sempre vem.
É por isso que eles são tão perigosos. É por isso que há jornalistas vendidos que os atacam. É por isso que há promotores de justiça que ordenam que eles sejam algemados. É por isso que há juízes que autorizam e recomendam o uso de técnicas de tortura contra eles. É por isso que há policiais prontos a bater, a socar, a prender. Porque esses meninos e essas meninas são perigosos, porque eles agarraram o futuro com as mãos e querem que o futuro seja aqui e agora, e não num tempo que nunca chega. Esses meninos são perigosos porque eles podem colocar o mundo de ponta cabeça, e de virá-lo em festa, trabalho e pão, como sonhou o poeta.
E esses meninos e essas meninas estão armados. Suas armas são as ideias que carregam, são o verbo que corta, a voz que inflama. Estão armados, eles. Trazem consigo a arma mais poderosa que há. Como em Pessoa, trazem em si todos os sonhos do mundo.
Parece que saíram de algum poema, esses meninos, essas meninas. Parecem que saíram de algum poema, para em tempos de tanta escuridão, de noite tão comprida, correrem pelas esquinas do Brasil, chamando pela aurora, acendendo as manhãs.
* Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (1996) e mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2006).
---------------------------- 

19 dias com um texto diferente chamando as pessoas para participar da 2ª Mostra Artistica da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, no dia 19 de novembro, no Teatro Lourival Batista, das 18 às 21h. Postagens acrescida com imagens e/ou link de uma canção, poema, pintura ou audiovisual, que foram ou que podem servir como fonte de inspiração para o trabalho social com arte-educação. Cada dia publicaremos um post desse tipo. Mais informações: https://acaoculturalse.blogspot.com.br/…/tempo-de-alegria-e…
.-----------------------
Músicas, poemas e documentários que podem ser ouvidas/lidos/vistos após a leitura acima.
CORAÇÃO DE ESTUDANTE
https://www.youtube.com/watch?v=KsqAfD4BkwA
TECENDO A MANHÃ - JOÃO CABRAL DE MELO E NETO
https://www.youtube.com/watch?v=kgpCDfKCTsg
CORAÇÃO CIVIL - MILTON NASCIMENTO https://www.youtube.com/watch?v=_x_G32UMxi4
O Navio Negreiro - Castro Alves
“’Stamos em pleno mar… Doudo no espaço
Brinca o luar – dourada borboleta;
E as vagas após ele correm… cansam
Como turba de infantes inquieta.

‘Stamos em pleno mar… Do firmamento
Os astros saltam como espumas de ouro…
O mar em troca acende as ardentias,
– Constelações do líquido tesouro…

‘Stamos em pleno mar… Dois infinitos
Ali se estreitam num abraço insano,
Azuis, dourados, plácidos, sublimes…
Qual dos dous é o céu? qual o oceano?…

‘Stamos em pleno mar. . . Abrindo as velas
Ao quente arfar das virações marinhas,
Veleiro brigue corre à flor dos mares,
Como roçam na vaga as andorinhas…

Era um sonho dantesco… o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.

Tinir de ferros… estalar de açoite…
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar…

Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:

Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!

E ri-se a orquestra irônica, estridente…
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais …
Se o velho arqueja, se no chão resvala,
Ouvem-se gritos… o chicote estala.
E voam mais e mais…

Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!

Existe um povo que a bandeira empresta
P’ra cobrir tanta infâmia e cobardia!…
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!…
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta,
Que impudente na gávea tripudia?

Silêncio. Musa… chora, e chora tanto
Que o pavilhão se lave no teu pranto!…
Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que a luz do sol encerra
E as promessas divinas da esperança…

Tu que, da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!…

Fatalidade atroz que a mente esmaga!
Extingue nesta hora o brigue imundo
O trilho que Colombo abriu nas vagas,
Como um íris no pélago profundo!

Mas é infâmia demais! … Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!
Andrada! arranca esse pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta dos teus mares!

http://www.portalraizes.com/navionegreirocastroalves/
Tabacaria - Fernando Pessoa
Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo.
que ninguém sabe quem é
( E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a por umidade nas paredes
e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.

Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,
E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.

Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.

Falhei em tudo.
Com

o não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
A aprendizagem que me deram,
Desci dela pela janela das traseiras da casa.

http://www.revistabula.com/522-os-10-melhores-poemas-de-fe…/



VIRAMUNDO - GILBERTO GIL https://www.youtube.com/watch?v=ST9QRk8MpJM

---------------------
 8 de novembro
VAI TER DANÇAS CIRCULARES NA 2ª MOSTRA ARTISTICA DO PONTO DE CULTURA JUVENTUDE E CIDADANIA. 19/11, no Teatro Lourival Batista, das 18 às 21h.
«No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
Ele estava no princípio com Deus.
Tudo foi feito por ele; e nada do que tem sido feito, foi feito sem ele.
Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.» (João 1:1-4)

Mas o homem ficou inerte, inconsciente sem ter a noção do que era, de que Deus o tinha criado, de que precisava prosseguir a obra da criação nele mesmo. Até que comeu do fruto do conhecimento, este para o bem e para o mal, abriu seus olhos, despertou a consciência para criar e desenvolver a fala, o desenho, a pintura, a escrita, assim também como os movimentos corporais. Fala, desenho, pintura, escrita e dança que nasce para pedir proteção aos deuses e deusas, para se comunicar com os outros, para sentir prazer, para agradecer, para representar sons, formas, cores, movimentos e ciclos da natureza, para unir o grupo, unir a comunidade.
Assim como as danças das crianças, as danças circulares dos povos nos trazem tudo isso e mais, o sentimento das gentes que dançaram pelo simples prazer de dançar, pelo prazer de estar celebrando o momento, dizendo através do movimento e dos sorrisos, “Vila La Vida”, “Gracias a La Vida”.
Muito tempo depois, no século XV, teve inicio nas cortes europeias, a criação de uma dança em que uns se dedicam muito tempo, afim de que outros possam assistir e se admirar com a beleza, a destreza e a leveza de um espetáculo de ballet.
Mas, homens e mulheres nunca deixaram de se encontrar para dançar com os outros, como grupo, como comunidade, em roda, em círculos. Porque sentem necessidade de estarem mais próximos, olhar mais perto dos olhos, de sentir a força e a vibração do estar junto.
Assim é, foi e será. Nessa 2ª Mostra Artistica do Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, quando pretendemos dedicar um espaço entre 10' e 20', para que possamos dançar em roda, uma ciranda de adultos criada nas praias de Pernambuco, porque é sempre bom sentir o gosto de dançar em círculo de mãos dadas, o que fazemos muito quando somos crianças ou quando vivemos em aldeias, povoados , ou quando estamos nos primeiros anos da escola.
“Por isso vem!
Entra na roda com a gente, também
você é muito importante.
Vem!
Não é possível crer que tudo é fácil.
Há muita força que produz a morte,
gerando dor, tristeza e desolação.
É necessário unir o cordão.”

Momento Novo. Autor da Letra e Melodia: Ernesto Barros Cardoso
  ------------------------------
19 dias com um texto diferente chamando as pessoas para participar da 2ª Mostra Artistica da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, no dia 19 de novembro, no Teatro Lourival Batista, das 18 às 21h. Postagens acrescida com imagens e/ou link de uma canção, poema, pintura ou audiovisual, que foram ou que podem servir como fonte de inspiração para o trabalho social com arte-educação. Cada dia publicaremos um post desse tipo.
https://www.youtube.com/watch?v=Js3qqMTGnzY
   
 -------------------------------------------

12 de Novembro de 2011
Inicio de mais uma dessas manhãs de novembro a caminho da Escola Júlia Teles, antes da hora marcada para começar a primeira oficina de grafite na história da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, momento propicio para encontrar a primeira aprendiz da oficina de grafite, uma das minhas alunas de olhos redondos e espertos, menina que já foi mais danada, mas que hoje sem deixar de ter o olhar de menina arteira, consegue estar mais focada no estudo e na responsabilidade de ser uma integrante do grêmio da escola. Entre uma fala e outra, uma declaração que me soou como um presente para este inicio do dia 12 de novembro de 2016.
“GOSTO DE DESENHAR QUANDO ESTOU COM ALGUM PROBLEMA, CHATEADA COM ALGUMA COISA, O DESENHO ME AJUDA A ACALMAR, DESENHAR RELAXA”.
E aê autoridades públicas? E aê secretários de educação, secretários de cultura e diretores de escola? Vamos acreditar e investir mais nessa rapaziada que gosta de desenhar, que gosta de dançar, que gosta de representar, que gosta de compor, que gosta de fotografar e de filmar?
Professor Zezito de Oliveira - coordenador pedagógico das oficinas culturais 2016 - Licenciado em História e especialista em Arte-Educação.
Professor Alef Bruno - Educador/Oficineiro/Grafiteiro
----------------------------

19 dias com um texto diferente chamando as pessoas para participar da 2ª Mostra Artistica da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, no dia 19 de novembro, no Teatro Lourival Batista, das 18 às 21h. Postagens acrescida com imagens e/ou link de uma canção, poema, pintura ou audiovisual, que foram ou que podem servir como fonte de inspiração para o trabalho social com arte-educação. Cada dia publicaremos um post desse tipo.

  

13 de Outubro de 2016
É possível que da porta da sua casa, você ouça um coro de meninas passando e cantando “malandramente...” novo sucesso das populares emissoras de rádio nessa estação, só não sabemos se atravessará o verão.
Até que “malandramente” tem uma boa pegada/levada para dançar. Porém, insistimos na necessidade de mais oficinas culturais com música, com dança e com outras linguagens /expressões artísticas, pois é por causa de muitas oficinas culturais realizada em escolas ou em espaços culturais e/ou comunitários, que muitas crianças/adolescentes/jovens descobrem as músicas de roda e do nosso cancioneiro popular tradicional, as músicas clássicas da MPB e de outros povos, assim como músicas eruditas e até ópera e passam a incluí-las em seu repertório do cotidiano, juntamente com as músicas da estação.
Realizar oficinas culturais envolve um investimento maior, do que quando solicitamos aos alunos que simplesmente pesquisem uma coreografia de dança na internet para reproduzi-la em uma culminância de projeto na escola, mas com certeza colaboram para uma formação positiva de gosto mais plural ou diversificada, além de fortalecer a aquisição de conhecimentos e de atitudes necessárias para a vida toda, tanto dentro , como fora da escola.
Realizar oficinas culturais, também ajuda a evitar o espaço exageradamente ocupado por muitas músicas idiotas como “festa da árvore” . Como não dá para ficar longe e negar que essas músicas não colam como chiclete nos ouvidos, podemos fazer ressignificação ou releituras das letras dessas canções.
No caso de “baile de favela” , muitos a ouviram pela primeira vez , através de uma releitura, “Escolas de luta”, produzida pelos garotos (as) das ocupações de São Paulo.
Muitas dessas canções, inclusive "malandramente" podem servir como um dos instrumentos para discutir a cultura do estupro.
------------------------
19 dias com um texto diferente chamando as pessoas para participar da 2ª Mostra Artistica da Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude e Cidadania, no dia 19 de novembro, no Teatro Lourival Batista, das 18 às 21h. Postagens acrescida com imagens e/ou link de uma canção, poema, pintura ou audiovisual, que foram ou que podem servir como fonte de inspiração para o trabalho social com arte-educação. Cada dia publicaremos um post desse tipo

https://www.youtube.com/watch?v=5GzYOit0G4E