CANAL DA AÇÃO CULTURAL

Loading...

sexta-feira, 27 de maio de 2011

EU QUERO, VOCÊ QUER, SERGIPE QUER, FASC!!

28 de maio de 2011 - dia de mobilização PRÓ-FASC

28/5 · São Cristóvão, SE
Zezito de Oliveira
PRAÇA SÃO FRANCISCO - CENÁRIO E PALCO PRINCIPAL DO FASC

Zezito de Oliveira · Aracaju, SE

Chegou a hora de mostrar que o festival de arte de São Cristóvão é assunto de grande valor

Neste sábado, 28 de maio, das 8:00 às 12:00 horas, será realizado o primeiro ato público do movimento PROFASC, iniciativa de moradores de São Cristóvão e de municipios circunvizinhos que tem por objetivo a retomada e continuidade do prestigiado festival de arte de São Cristóvão, também conhecido como FASC.

Os integrantes do movimento reúnem-se semanalmente desde o inicio de março de 2011. Como resultado desses encontros foi elaborado um manifesto, o blog saudades do FASC e planejadas várias ações, dentre as quais reuniões com representantes de órgãos públicos e instituições que estiveram envolvidas no planejamento e execução dos mais de 30 FASCs realizados na década de 1970 até 2005.

Para ler mais, clique aqui

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Dia de Mobilização PROFASC – 28 de Maio

Dia de Mobilização PROFASC – 28 de Maio



OBJETIVO:

Ampliar a adesão da população ao movimento PROFASC, reinvindicando a valorização da cultura como um caminho de fortalecimento da auto-estima e do desenvolvimento da cidade.

MAIO
O Que: Cortejo de artistas, grupos e agentes culturais e recolhimento de assinaturas na cidade em favor do FASC.
Hora: 8 às 12h
Artistas e grupos confirmados até o dia 14/05. Pernas de pau, Banda de Pifano, Cia. Stultifera Navis, Ivo Adnil (Presidente do Sated), Cia de Dança Rick di Karllo do Conj. E. Gomes .

Roteiro da caminhada
Ponto de encontro - Pça. São Francisco (em frente ao museu histórico)
Saída - Praça São Franscisco, Beco do Museu, Rua das Flores (Messias do Prado), Pça do Carmo, Ladeira e Feira (chegada)

Mais:

http://scprofasc.blogspot.com

terça-feira, 3 de maio de 2011

almoço cultural paraense edição 2011

A Ação Cultural estará realizando o almoço cultural paraense edição 2011, no dia 15 de maio (domingo), na garagem d'art (Rua Goiás, 889 - Siqueira Campos). O formato é o mesmo dos anos anteriores: Pato no tucupi, arroz, pimenta de cheiro e farinha. A diferença este ano é um porção de maniçoba (opcional), gentileza da chefe de cozinha Angelina Magalhães, a qual juntamente com Irene Smith garantem a simpatia e o sabor do Pará, marca registrada do evento.


No ano passado foi cogitado a possibilidade do almoço paraense ser realizado em um espaço maior, acompanhado de uma roda de danças da região e com decoração típica, todavia, as condições atuais ainda não permitem esta ampliação.


O custo individual é de R$20.00 e quem comprar duas ou mais entradas terá abatimento. A previsão é atingirmos uma média de 12 convidados e o dinheiro arrecadado será revertido na compra dos ingredientes e outras despesas relacionadas ao evento. O trabalho de Angelina e de Irene, auxiliado pelos demais membros da família é realizado de forma voluntária.


O almoço será servido entre 12 e 13 horas. Para quem quiser chegar antes, o espaço estará disponível a partir das 11 horas e a permanência no local será de até 16 horas. E como de costume, durante o período de realização do evento estará sendo servido um cardápio de músicas da amazônia.


Como novidade da programação estética, teremos a roda de leitura, composta de textos curtos e poemas de autores da região.


Saiba mais:


Pato no Tucupi - O pato no tucupi é um prato brasileiro típico da culinária paraense. É elaborado com tucupi, líquido amarelo retirado da mandioca brava, e com jambu, verdura típica do estado, que possui propriedade anestésica, causando uma leve sensação de tremor na língua.

O tucupi e o jambu também estão presentes em outra iguaria paraense à base de camarão chamada tacacá, muito preparado no período do Círio de Nazaré.

Pode ser acompanhado por arroz branco ou farinha-d'água de mandioca.

(disponível no site Wikipédia)


(..)Thiago de Mello. Em “Madrugada camponesa”, o poeta passeia nas estações em seus versos. O tempo do medo se contrapõe ao tempo de ceifar o trigo; a solidão, ao tempo de amor.
“Não vale mais a canção
feita de medo e arremedo
para enganar solidão.
Agora vale a verdade
Cantada simples e sempre,
Agora vale a alegria
Que se constrói dia-a-dia
Feita de canto e de pão.”
Flores e amores, conquistas e alegrias... São tantos os significados possíveis para a entrada da primavera, tantas as alegorias para os sonhos dos homens trabalhadores que lutam todos os dias por uma vida melhor e um jardim mais florido.
“Madrugada camponesa.
Faz escuro (já nem tanto),
Vale a pena trabalhar.
Faz escuro mas eu canto
Porque a manhã vai chegar.”(...). Para encerrar a crônica, nada mais apropriado do que o artigo final do Estatuto do Homem, escrito em abril de 1964, poema mais conhecido de Thiago de Mello:
“Artigo final
Fica proibido o uso da palavra liberdade,
A qual será suprimida dos dicionários
E do pântano enganoso das bocas.
A partir deste instante
A liberdade será algo vivo e transparente
Como um fogo ou um rio,
E sua morada será sempre
O coração do homem.”


Helena Sut

Publicado no Recanto das Letras em 25/01/2005

Música “da minha terra” Nilson Chaves

Se quiser ouvir/ver mais músicas de um dos melhores cantores/compositores do Pará, clique Nilson Chaves no you tube.