CANAL DA AÇÃO CULTURAL

Loading...

RÁDIO WEB DA AÇÃO CULTURAL - CANÇÕES QUE FAZEM UM PAÍS.

Rádio Web Ação Cultural - Play list temáticas

Para quem gosta das morenas

 Play list (2) Consciência Negra "Homens negros, amem suas pretas"
  
Playlist - As melhores canções para celebrar o dia da consciência negra
 
No seu corpo

Revisitando o Brasil profundo

 Playlist Feliz dia das Crianças!! As nossas crianças estão culturalmente ameçadas

 Playlist - Canções para Francisco de Assis

Play list - Linkando palavras do Papa Francisco com músicas brasileiras e de outros países e nações.
  
Play list - Laudato Si: Como cuidar da criação - Enciclica do Papa Francisco
 
 "Paulicéia Desvairada" - Homenagem aos 461 anos da cidade de São Paulo.

  17 de Março de 2015 - 160 anos de Aracaju

   "Sobre o Tempo... Sobre o Sentido da Vida.."

  Lembrando 01 de abril e os 51 anos do golpe civil-militar - a ARTE, os ARTISTAS e AQUELES QUE AJUDAM A CRIAÇÃO. 

  "A gente precisa conhecer o Brasil" - Brasil - Pátria Educadora 


 RAP e REVOLUÇÃO  

Play List - Tudo indio, tudo parente..

  

A play list é um projeto embrião da rádio web da Ação Cultural, enquanto isto não acontece, a gente vai fazendo o que pode, usando as frestas ou as brechas proporcionadas pelas novas tecnologias,  igual a uma flor que irrompe no asfalto. Neste caso, o asfalto do controle dos meios de comunicação pelo poder econômico.
O legal mesmo será a democratização das ondas eletromagnéticas para que organizações como a Ação Cultural associada a outras semelhantes,  possam  dispor de espaço nas frequências do rádio e da televisão para se comunicar com muito mais pessoas.
 http://www.paraexpressaraliberdade.org.br/
Mas essa conquista só virá com muita luta, persistência e ações como esta.
E assim, a gente faz um país.
O conceito dessa proposta pode ser utilizado por comunicadores que atuam em quaisquer  espaço, inclusive em alguns grandes meios, em especial os públicos .
Diga-se de passagem, a Rádio Cultura Brasil, da Fundação Padre Anchieta (SP), foi uma das fontes de inspiração para este trabalho. http://culturabrasil.cmais.com.br/
Outras músicas podem ser sugeridas nos comentários, tanto por aqui, como no facebook.
 https://www.facebook.com/radioacaocultural
Quem quiser pode enviar um tema e uma relação de músicas para compor outras playlists.

No facebook  

https://www.facebook.com/radioacaocultural

 

OS ARTISTAS SÃO AS ANTENAS DA RAÇA. Ezra Pound

MARINA LIMA - FULLGÁS

De Marina Lima e Antonio Cícero
"Meu mundo você é quem faz
Música, letra e dança"

"Você me abre seus braços
E a gente faz um país"

 

   Zé Geraldo lançou,há tempos, uma canção que merece se lembrada.chama-se Cidadão:

"Tá vendo aquele Edificio ,Moço? ajudei a levantar foi um tempo de aflição...
Zé Geraldo foi generoso com a Igreja.
"Tá vendo aquela Igreja Moço? Onde o Padre diz Amém.
... e o padre me deixa entrar...

fiquei pensando que ás vezes- sobretudo nas cidades grandes- há Igrejas de piso de mármore,cheias de vitrais e de lustres tão belos,com tapetes tão ricos, que o pobre de pé descalço ou de sapato velho,sujo de lama, fica com medo de entrar.
Na canção de Zé Geraldo o operário entra feliz na igreja que ajudou a construir.Mas o ponto alto da cançao é que Jesus Cristo diz ao operário:

"Você não pode entrar em edificios e escolas que você ajudou a construir.Saiba que o mesmo acontece comigo.Criei a terra.Enchi os rios,fiz as serras.Não deixei nada faltar...
Hoje, o homem criou asas e na maioria das casas eu também não posso entrar."

Fonte :Um olhar sobre a cidade (D.Helder Câmara)
-------------------------------------------------------------------

Músicos listam a trilha sonora para o Dia da Consciência Negra

Xis, Parteum, Leandro Lehart e Rincon Sapiência mostram que balanço, revolta e orgulho combinam muito bem



 Seis músicas que tentaram mudar o Brasil

Caetano Veloso, Geraldo Vandré, Chico Buarque, Elis Regina, Cazuza e Legião Urbana gravaram canções de protesto; veja

Susan Souza , iG São Paulo |
Impulsionados pelo aumento nas tarifas do transporte público, manifestantes de diversos pontos do Brasil estão se organizando em grandes protestos. Manifestações tomaram as ruas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Curitiba, Salvador, Vitória, Maceió, Recife, Fortaleza, Belém, entre outras cidades.
Leia mais AQUI

 -----------------------------------------------------------------

 Um rastro de chumbo na vida da gente de Santo Amaro (BA)

Fábrica que se instalou nos anos 1960 na cidade baiana de Santo Amaro fechou e deixou um rastro de contaminaçãoA instalação de uma fábrica na pacata Santo Amaro, a 70 quilômetros de Salvador, foi um alento. Em 1960, a cultura da cana-de-açúcar há muito deixara de impulsionar a economia da região. E ser funcionário da Cobrac, a Companhia Brasileira de Chumbo, também dava status. “Todo mundo achava que ia se dar bem”, diz Luciano dos Santos, ex-funcionário. “Em termos financeiros, era o melhor lugar”, conta Nicolau Sousa Passos Filho, que ficou durante seis anos. “Quem trabalhava lá tinha crédito em qualquer lugar”, acrescenta Raimundo Santana Alves. Todos fazem parte da longa lista dos que hoje se queixam de um sem-número de problemas de saúde decorrentes da exposição a metais pesados, como chumbo e cádmio. Muitos estão em casa, sem condições de sair. Outros tantos já morreram.

https://www.youtube.com/watch?v=TGjX55Vl-Uc

Leia mais:
http://www.redebrasilatual.com.br/revistas/87/impurezas-da-historia-8813.html
--------------------------------------------------------------------

 PODRES PODERES

ontem no "Fora Cabral "
 
------------------------------------------------------------------------------------------

 Que País É Esse?

Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
No Amazonas, no Araguaia iá, iá,
Na baixada fluminense
Mato grosso, Minas Gerais e no
Nordeste tudo em paz
Na morte o meu descanso, mas o
Sangue anda solto
Manchando os papeis e documentos fieis
Ao descanso do patrão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Terceiro mundo, se foi
Piada no exterior
Mas o Brasil vai ficar rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos indios num leilão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
https://www.youtube.com/watch?v=CqttYsSYA3k

----------------------------------------------------------------------

 Classe Média
Max Gonzaga

Sou classe média
Papagaio de todo telejornal
Eu acredito
Na imparcialidade da revista semanal
Sou classe média
Compro roupa e gasolina no cartão
Odeio "coletivos"
E vou de carro que comprei a prestação
Só pago impostos
Estou sempre no limite do meu cheque especial
Eu viajo pouco, no máximo um pacote cvc tri-anual
Mas eu "to nem ai"
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não "to nem aqui"
Se morre gente ou tem enchente em itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda
Mas fico indignado com estado quando sou incomodado
Pelo pedinte esfomeado que me estende a mão
O pára-brisa ensaboado
É camelo, biju com bala
E as peripécias do artista malabarista do farol
Mas se o assalto é em moema
O assassinato é no "jardins"
A filha do executivo é estuprada até o fim
Ai a mídia manifesta a sua opinião regressa
De implantar pena de morte, ou reduzir a idade penal
E eu que sou bem informado concordo e faço passeata
Enquanto aumenta a audiência e a tiragem do jornal
Porque eu não "to nem ai"
Se o traficante é quem manda na favela
Eu não "to nem aqui"
Se morre gente ou tem enchente em itaquera
Eu quero é que se exploda a periferia toda
Toda tragédia só me importa quando bate em minha porta
Porque é mais fácil condenar quem já cumpre pena de vida
https://www.youtube.com/watch?v=jUVUUi_yc00

------------------------------------------

 "Eu vejo na TV o que eles falam sobre o jovem não é sério
O jovem no Brasil nunca é levado a sério

Eu Sempre quis falar
Nunca tive chance
Tudo que eu queria
Estava fora do meu alcance" (Charlie Brown Jr.).

http://www.youtube.com/watch?v=1pwozTNLHro

----------------------------------------------

 Impeachment do Simulacro


Assim entoava a música "...caminhando e cantando e seguindo a canção¹".

De onde vem à música? Quem a descreveu? Quem são os cantores?

Letra, a quem interessa? Músicos, quem os pagam? Caminhando, para onde? Inúmeros seguindo a canção.

Pergunto-me incansavelmente, e torno a ser redundante, a que canção seguimos? Manifestação do povo ou simulacro popular? Há alguém ganhando com a tamanha "mobilização independente, autônoma e espontânea?"

Caminhando para onde e seguindo qual canção?

Em outros tempos, em que se debruçava sobre os contextos históricos, sociais e econômicos, essa canção era sinônimo de exílio, grades, torturas, perdas, dentre outras atrocidades. E hoje? Hoje caminhamos, cantamos, gritamos, seguimos a canção dos interesses do capital, sem necessidade de instituir o AI-5 como no passado.

Entorpecidos, estamos sobrevivendo sob a ditadura do AI-7, sem se dar conta dos mandos e desmandos daqueles poucos 7 donos do planeta que neutralizam e direcionam os caminhos a serem seguidos pela massa. Massa essa que teima em acreditar que o Ato Inconstitucional do Capital 7 esta as portas de cair com "mobilizações" ditas pacíficas, idealizadas por um pífio grupo que não quer abrir mão dos poderes conquistados, intensificados e perpetuados com os frequentes golpes ideológicos anos após anos, e assim, fazendo reverberar aquela linda música que ecoa sentidos distorcidos aos ouvidos da nova massa..."Caminhando, cantando e seguindo a NOSSA canção". Dessa forma, segue-se a canção de quem tem o discurso, o poderio das armas ideológicas em mãos, sobretudo as mídias.

Enquanto isso, em uma TV qualquer, há uma releitura musical bombando e fazendo vibrar os esqueletos outrora letárgicos. O negocio agora é: "Vem, vamos pra rua, Pode vim que a festa é sua, Que o Brasil vai tá gigante, Grande como nunca se viu²". Deixaremos, por hora, de lado o cantar, caminhar e seguir tal canção. Retornemos a velha política do pão e circo que sempre funciona em momentos de "crise" de direção identitária. Unidos vamos bradar em alto e bom tom: “OOH, Vem pra rua, porque a rua é a maior arquibancada³ do Brasil".

Voltando ao texto, sem esquecer o que foi dito acima, pedimos encarecidamente: Abaixo a ditadura da corrupção generalizada e sua inescrupulosa impunidade, mas antes disso e não mais importante que essa acima citada, clamemos pelo Impeachment do Simulacro que tanto nos impede da almejada liberdade com consciência e autonomia.

Façamos ecoar a liberdade.
Desiludir para adiante seguir, caminhar e cantar com consciência.

1 - Música - Pra não dizer que não falei das flores - do compositor Geraldo Vandré, foi apresentada no 3º Festival Internacional da Canção da TV Globo em 1968 ficando em segundo lugar.

2 - Música – Vem pra rua – do grupo O Rappa, muito utilizada nas chamadas televisivas da Copa das Confederações 2013 no Brasil.

3 - Onde lê-se arquibancada, entenda ARENA.

Prof. Thadeu

---------------------------------------- 

  Inspiração para sairmos às ruas.

"Por que se chamava moço
Também se chamava estrada
Viagem de ventania
Nem lembra se olhou prá trás
A primeiro passo asso asso ...
Por que se chamavam homens
Também se chamavam sonhos
E sonhos não envelhecem
Em meio a tantos gases lacrimogênios

(...)

E o rio de asfalto e gente
Entorna pelas ladeiras
Entope o meio fio
Esquina mais de um milhão
Quero ver então a gente gente gente..." (Lô Borges, Márcio Borges e Milton Nascimento).

http://www.youtube.com/watch?v=NUFUBaHGOBQ

--------------------------------------

 Preciso de um prefeito para chamar de meu.
Por isso, Reforma Politica Já e com financiamento público de campanha.
https://www.youtube.com/watch?v=YdOcsUkdgpk

--------------------------------------

 
Mais música para pensar sobre a necessidade de saber a hora de pisar o pé no acelerador e a hora de tirar o pé, sem deixar “parar”” o movimento. Sabendo o que se quer e quem são os verdadeiros adversários, é vitória na certa. Buscar encontrar respostas para o que está escrito abaixo, é fundamental.
você marcha, José!
José, para onde?
http://www.vagalume.com.br/paulo-diniz/e-agora-jose.html

------------------------------------------

 Depois destes últimos acontecimentos, mais canções que tem muito a dizer.
Se muito vale o já feito, mais vale o que será.
https://www.youtube.com/watch?v=Eo2g4FxY_dU

---------------------------------------

 Depois destes últimos acontecimentos, mais canções que tem muito a dizer.
Nada será como antes.
https://www.youtube.com/watch?v=KsO4wyndOME

----------------------------------------

  "No dia em que o morro descer e não for carnaval
não vai nem dar tempo de ter o ensaio geral
e cada uma ala da escola será uma quadrilha
a evolução já vai ser de guerrilha
e a alegoria um tremendo arsenal
o tema do enredo vai ser a cidade partida
no dia em que o couro comer na avenida
se o morro descer e não for carnaval".
https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=mr0ZUETRnJk

--------------------------------------

 Só quero saber, como o grande Noel Rosa, com que roupa irão estar presentes as eleições de 2014, os apolíticos ou anti-partido das manifestações de agora, caso não consigam o intento de assumirem o poder por meio de um golpe, o que é a vontade de muitos apolíticos e anti-partido. Assim como fizeram em 1964, utilizando baderneiros profissionais e a boa fé de uma parte da classe média.
https://www.youtube.com/watch?v=k6BiMxZZQmA

------------------------------------------

 Socorro Lira
Uma canção para mentes inquietas, espinhas mais ou menos eretas e corações...

http://www.youtube.com/watch?v=-QDw_tXTlNk

--------------------------------------

 
As contradições que vemos nas ruas, como pauta difusas, multifocais ou com pessoas misturando demandas de direita e esquerda, não é próprio apenas dos manifestante.
Nós brasileiros, como pessoas e como instituições, estamos cheios de contradições. Para tentar compreendê-las e buscar superá-las acredito que faz falta a leitura de muitos intelectuais brasileiros que não são muito valorizados pela academia, havendo até preconceito e discriminação, me refiro a Gilberto Freire, Darcy, Ribeiro e Paulo Freire, entre outros.
A preferência da maioria dos professores da nossa academia, até meados do anos 90, quando estive mais próximo, é por autores, cujas bases de pensamento estão assentadas no padrão binário, maniqueísta e dicotômico. A maioria dos companheiros e camaradas da esquerda reformista ou radical, foram preparados em sua maioria com base nestes padrões.
Para estes tempos, é bom buscar ler ou reler os autores citados acima, assim como os pensadores marxistas da Escola de Frankfurt, Gramsci e os pensadores chamados de pós-modernos.
Vai ajudar bastante a nos situarmos em meio a estes turbilhões de desejos, necessidades e emoções. Na verdade, retomando Nação Zumbi, precisamos desorganizar as nossas cabeças, para nos organizar, sei que não é fácil, mas quem já vem fazendo isso, não terá tanta dificuldade agora.
http://letras.mus.br/nacao-zumbi/77655/

---------------------------------------------------

 Sugestão de Socorro Lira (SP).
A música do momento é esta http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=sAhFBHeG-os

-------------------------------------

 
Léo Yanco
# Músicas que fazem pensar mais do que dançar (Parte I)

Pessoal, resolvi criar uma espécie de série de músicas que penso muitas pessoas devam conhecer. São músicas que nos fazem pensar. Resolvi começar por “Another Brick In The Wall (Outro Tijolo na Parede)” do Pink Floyd. É um clipe e uma música que trata de muitas coisas, mas, sobretudo, da educação formal no colégio tal qual ela se estabeleceu para nossa geração.

Saibam que não é por acaso que temos que usar fardas, que nosso horário de aula é controlado por uma sirene, que existem inspetores e diretores que fiscalizam pequenos espaços onde todos devem estar devidamente organizados. É a mesma lógica de uma instituição como a prisão (onde existem sirenes, diretores e pequenos lugares com muita gente, como a cela). Podemos chamar isso de “instituição disciplinar”, cujo objetivo é domesticar e docilizar politicamente os indivíduos. As escolas nos fazem ser apenas “outro tijolo na parede”.

Comecemos a pensar e criticar! E, em vez de ser mais um tijolo na parede, vamos ser o tijolo que descontrói a parede. Eles querem nos fazer apenas robozinhos que reproduzimos conhecimento sem pensar (como no vestibular). Mas somos mais do que isso.

Segue abaixo o clipe e a letra da música traduzida!

http://mais.uol.com.br/view/h4x5fhq01skr/pink-floyd--another-brick-in-the-wall-legendado-0402CD9B3460D4A14326?types=A&

---------------------------------------------

 Mais uma música da geração 1990 para nos ajudar a refletir sobre o momento atual.

--------------------------------------

 Uma música da década de 1990 que tem a ver com muitos jovens que, nos tempos de hoje, incitam uma retórica violenta nas manifestações contra a esquerda e a presidente Dilma, agindo em algumas situações de forma truculenta.
. https://www.youtube.com/watch?v=4dZpvh0c1UM

-------------------------------------

 
Comovente o depoimento emocionado de Gil em favor da possibilidade de um Brasil melhor. Para além das idiossincrasias do processo político brasileiro, a convicção apaixonada do artista é reveladora do empenho e da autênticidade do seu engajamento. 08/07/2008

Gilberto Gil comenta as músicas de seu novo album Banda Larga Cordel
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=hsk0I73RcsY

------------------------------------- 

 Mas é claro que o sol vai voltar amanhã

Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem.

Tem gente que está do mesmo lado que você
Mas deveria estar do lado de lá
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Tem gente enganando a gente
Veja a nossa vida como está
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança!

Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de noitecer gente sã
Espera que o sol já vem.

Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena
Acreditar no sonho que se tem
Ou que seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança!

Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!
Quem acredita sempre alcança!

Renato Russo * mais uma vez * sob uma outra ótica
nterpretação da música através de um olhar político e social.

https://www.youtube.com/watch?v=GqR8yFnO3Fs


O Portal do Som (3) - Sergipe para exportação  

blog o nordeste .com - divulgação
Vista aérea de Aracaju

Zezito de Oliveira · Aracaju, SE
29/8/2010 · 11 · 9
MÚSICA SERGIPANA TIPO EXPORTAÇÃO
Mais uma noite de puro deleite estético/musical em 2010, vivida por mim, juntamente com muita gente “bonita” como disse uma das pessoas que nos acompanhou na Cantoria, organizada pelo grupo de forró Casaca de Couro no restaurante O Paiol em uma noite de sexta-feira (20/08).

O time bem escalado para aquela noite, foi composto de quatro violeiros sergipanos: Muskito, Sena, Joaquim Ferreira e Nino Karvan, participaram também o poeta popular João Brasileiro, o percussionista Tom Toy e os violeiros convidados Josino Medina (Vale do Jequitinhonha), Dinho Oliveira (Vitória da Conquista) e Paulinho de Jequié.

Uma apresentação que me chamou a atenção foi a do cantador do vale do Jequitinhonha, Josino Medina, que traz um som de viola, de dupla matiz sonora, do nordeste e do sudeste, fruto da localização do vale do Jequitinhonha e a de Nino Karvan, que trouxe um toque urbano, agregando novidade ao estilo. Momento emocionante foi todos juntos cantados clássicos como Romaria (Renato Teixeira) e Cio da Terra (Chico Buarque e Milton Nascimento).

No final, para dançar, o autêntico forró do grupo Casaca de Couro, o qual não ficou nada a dever as noites em que o grupo se apresentou no Complexo Cultural “O Gonzagão” nos anos de 2007, 2008 e 2009. Considerado, conforme pesquisa junto ao público presente, como um dos três melhores pé de serra da programação organizada quando estivemos a frente daquela tradicional casa de forró.

Tenho ótimas lembranças sonoras de outras noites em 2010. Noites nas quais aconteceram quando estivemos presentes ao show da Patricia Polayne em duas ocasiões, em uma concha acústica da UFS e no pub Capitão Cook, “o que é bom é para ser visto e revisto”.

E para completar, também estivemos presente no surpreendente show de lançamento do CD de Pantera e em uma noite de apresentação do Maria Scombona antecedendo a entrada da Fernanda Takai no Festival de Verão.

Outra noite memóravel foi aquela da gravação do DVD da dupla Chico Queiroga & Antônio Rogério Mesmo não estando presente, pude captar através do DVD as boas energias, ou as “vibrações positivas” repetindo o bordão de um empresário e politico sergipano ligado ao segmento da cultura de massa baiana.

Uma característica que me empolgou em todas elas, daí o titulo deste artigo, foi o alto grau da qualidade da produção, tanto da parte dos artistas e músicos, como da área técnica, em especial quanto ao som e iluminação.

Também gosto do estilo das composições da Patricia, do Chico&Rogério, do Edelson Pantera e do grupo Maria Scombona pelo fato de serem músicas de gente daqui, mas que sabe incorporar outras matizes sonores. E através disso compor uma interação estética bastante criativa de elementos locais com outras vertentes da musicalidade nordestina, brasileira e universal.

Ao contrário, as músicas de cantoria, também me atraem pela aproximação que esse estilo de música guarda com relação às raízes populares, notadamente do interior nos proporcionando manter conexões bem profundas com o sertão que está dentro de nós e que está em toda parte, como disse Guimarães Rosa.

E é bom que seja assim, é bom poder apreciar música sergipana de alto nivel e cujo sonoridade, ritmos e letras trate das nossas questões, em sintonia com o que circula pelas antenas por sobre as nossas cabeças.

Como também aquelas que nos sintoniza com as antenas que estão dentro da gente, em especial com aquilo que nos vincula a terra, as águas, aos animais, as plantas, aos mitos , aos modo de pensar e viver dos nossos antepassados que viveram ou que ainda vivem no campo.

A esse propósito, o restaurante O Paiol em funcão de estar em um espaço cujo verde é um componente bem presente, além da terra e a circulação do ar, proporcionada pelo fato da área coberta não ocupar todo o terreno. Isso me pareceu um elemento muito importante para a composição do cenário e do clima.

Algo que me lembrou a contribuição que o mar proporcionava ao sucesso da casa de forró Candeeiro que, durante alguns anos funcionou sob as areias e circundadas pelos coqueiros da Praia de Aruana.

CADA SOM PUXA UMA LEMBRANÇA
No show da Patricia Polayne realizada em uma concha acústica rodeada por grama e árvores dentro da UFS também senti a natureza como uma parceira importante para o sucesso da noite. O elemento cênico em termos de figurino e adereços, a percussão, bem como os movimentos corporais e faciais da cantora foram muito importantes para o sucesso do show.

Muito bom e evidente perceber nas composições e nos arranjos, referências do movimento musical conhecido como Mangue Beat .

Quanto ao show do Pantera a minha surpresa foi assistir ao show de um artista sergipano, com um sonoridade que em alguns momentos me transportou para um tempo e um lugar diferente de onde eu estava, cidades velhas, gente simples, bairros antigos, com crianças brincando, pessoas na calçada, árvores no quintal, frutas colhidas no pé.

Sensações iguais quando ouço algumas músicas do Chico Buarque, do Ivan Lins, de Caetano e Gil, do Boca Livre, e principalmente do Milton e de seus companheiros do clube da esquina ou das composições instrumentais do Wagner Tiso e do Egberto Gismonti.

E sobre a influência do som do Clube da Esquina na obra de Pantera: foi a surpresa mais agradável daquela noite. A produção, em matéria de arranjos, ficou a cargo de Toninho Horta que também se fez presente como músico, tendo sido homenageado por Pantera em uma composição totalmente dedicada ao Toninho.

IMPACTOS POSITIVOS
Percebi no material de divulgação dos shows, Cds e Dvds da Patricia Polayne e do Chico & Rogério a marca do Governo Federal através do Projeto Pixinguinha. Isto possibilitou a melhoria do padrão de qualidade técnica e artística, no caso dos arranjos e da qualidade da gravação, tanto em aúdio com em video, bem perceptível para quem esteve presente aos shows e/ou que adquiriram o material gravado.

Este fato, aliado aos outros programas de fomento e incentivo a cultura demonstra o impacto positivo que isso está proporcionando para a cadeia produtiva da música.

Para que isto se amplie e se consolide espero que as universidades invistam em estudos e pesquisas sobre os impactos culturais, econômicos e sociais e certamente com o estimulo financeiro dos governos estaduais e federal, através dos bancos oficiais e com recursos diretos do Ministério da Cultura, muito mais poderá ser realizado neste campo.

Outro aspecto urgente em termos políticos é a democratização do acesso. E uma forma de realizar essa democratização é possibilitar a mais universidades públicas e entidades da sociedade a concessões de canais de rádio e tvs.

Aqui em Sergipe a entrada no ar da Rádio UFS, bem como a reformulação da programação da Rádio Aperipê e Aperipê TV , com a chegada dos novos gestores que assumiram em função da vitória do governador Marcelo Deda (PT) no ano de 2006, está possibilitando um ganho muito promissor para artistas sergipanos, cujas músicas dispunham de pouco espaço para chegar ao público.

Para concluir, é muito importante mais investimento na circulação de espetáculos artísticos e oficinas culturais na rede de escolas e universidades públicas.

Essa medida é imprescindível para ajudar tanto na formação de platéia, como para ajudar a tornar a escola um espaço mais completo em termos educativos. Afinal, como sabemos, nos tempo atuais uma escola que não interaja com a cultura brasileira, não atende completamente aos saberes e fazeres necessários para a educação do futuro.

Do contrário, ruim para a cultura, cujo lixo cultural continuará ganhando cada vez mais corações e mentes. E pior ainda para a escola que continuará sendo um local, cujo interesse e satisfação será cada vez menor em relação aquele proporcionado pela televisão e pela internet.

Como estamos em época de eleições, eleger ou reeleger governos e parlamentares comprometidos com estas bandeiras é tarefa de todos nós. Disso depende a viabilização de condições para que muito mais brasileiros possam se deleitar de prazer em termos estéticos/culturais, com reflexos positivos para a educação, para a economia, para a saúde e para a segurança pública.

P.S: (1)Na última viagem que realizei a Belém do Pará, em julho, pela primeira vez levei CDs de música sergjpana para presentar aos organizadores de um congresso internacional de arte-educação e para parentes que moram na região. No primeiro caso utilizamos CDs doados, além de livros, folhetos sobre turismo e cultura de Sergipe. No segundo caso, custeamos as despesas de aquisição, favorecido pelo preço acessível proporcionado pela apoio do Projeto Pixinguinha a tiragem do trabalho do Chico&Rogério e da Patricia Polayne. O que nos motivou, entre outras razões, está descrito no titulo e em toda a argumentação

(2) Clique abaixo para conferir experiências exitosas da parceria escola e grupos/linguagens artísticas.


Circuito Escolar Maria Scombona

Projeto Estatuto da Criança e do Adolescente com Arte.


Infelizmente muito aquém do que necessitamos. O que fazer para que o MEC e o MINC,bem como as respectivas secretarias de educação e cultura dos estados e municípios dialoguem para que isto seja ampliado dentro do universo escolar? Que tal Pontos de Cultura Itinerantes voltados para a promoção de oficinas/seminários para professores e alunos e a circulação de espetáculos no seio das escolas?

Caso você seja um participante ou conhecedor de iniciativas que façam interagir escolas com grupos/linguagens artísticas, disponibilize o link em "comentários" .

(3) - Confira um exemplo da repercussão de um show da Patricia Polayne no dia 24/08 em Sampa.

O Portal do Som ( 2) - Música e Tragédia Urbana.  

blog que trampo
vista aérea de São Paulo

Zezito de Oliveira · Aracaju, SE
25/4/2010 · 9 · 26
 
Recentemente, algumas tragédias urbanas — em especial a relacionada ao assassinato do cartunista Glauco e do seu filho, Raoni — me trouxeram à lembrança alguns versos da canção "Muros e Grades"( “Nas grandes cidades, no pequeno dia-a-dia, o medo nos leva tudo, sobretudo a fantasia...”), um grande sucesso dos Engenheiros do Hawaii, e uma das canções que fez parte da trilha sonora da vida de uma “banda” da geração 80. (1)

Falo em banda querendo aqui me referir a uma parte da juventude, pois outras juventudes estavam ligadas em outras vertentes musicais, mesmo que, em muitos casos, a matriz de origem fosse o mesmo rock brazuca que despontava com toda força, a partir do início da década.

“Os artistas são as antenas da raça”, disse Ezra Pound. E confirmamos isso quando paramos para ouvir com mais atenção algumas das canções gravadas pelos Engenheiros e por outras bandas musicais surgidas naquele período, como: Legião Urbana, Titãs, Ultraje a Rigor, RPM,Paralamas do Sucesso, Capital Inicial, Ira, Barão Vermelho, Camisa de Venus etc..

Assim como ocorreu com as gerações que os antecederam, em especial as dos anos 60 e 70, perceberemos que a geração 80 também foi capaz de mostrar e refletir acerca das muitas mazelas daquele tempo, as quais não pararam de aumentar, chegando ao atual estágio de mal estar e insegurança que vicejam por tantos lugares.

Tempos de semeadura ideológica para o triunfo do modelo neoliberal, cujo ponto alto se dá com o “Consenso de Washington”, que recomendou a menor interferência possível por parte do estado nos rumos da economia, com os consequentes cortes de investimentos nas áreas sociais, arrocho salarial, precarização das relações de trabalho, redução e “flexibilização” de direitos trabalhistas, redução do papel regulador da economia por parte do Estado. (2)

Temos no exagero dessa ideologia, em especial na sua relação com o mercado financeiro, a causa principal da crise internacional que abalou a economia mundial em 2009, resultando em dor e sofrimento para milhões de pessoas, principalmente nos Estados Unidos, Japão e na Europa.

Estas questões relacionadas as facilidades para a penetração dessas idéias na década de 80 podem ser percebidas na letra da música Ideologia (1987), de Cazuza, que nos lembra da perplexidade que se estabelece no seio de parcela da juventude em função da falta de modelos de referenciais teóricos e práticos para sustentar a luta para a construção de uma nova sociedade, entre outros motivos, agravado pela derrocada da ampla maioria dos regimes comunistas que alimentaram a esperança de uma parcela da juventude, de artistas e de intelectuais na construção de um mundo melhor e pela mudança de lado, por parte de alguns expoentes da contra cultura ou da esquerda marxista, que assumiram idéias e atitudes de defesa do status quo.

A despeito disso, como os espaços de liberdade no Brasil eram muito limitados, naquele momento, muitos que tinham entre 15 e 30 anos, mesmo sem encontrar referencias mais sólidos em termos de ideologias, se envolveram em diversas formas de participação política, cujo ápice acontece com a campanha Diretas Já, exigindo eleições diretas para presidente da república

E como tema da campanha das Diretas Já, temos a canção Inútil (1983), do grupo Ultraje a Rigor. “A música, que nasceu de pequenos fatos relacionados ao país (a primeira frase da canção foi inspirada numa frase de Pelé), ganhou cunho político e social quando o então mestre-de-cerimônias Osmar Santos tocou “Inútil” para 10 mil pessoas, no primeiro comício pré-eleição diretas, em São Paulo (...). Num outro golpe de sorte e publicidade espontânea, o deputado Ulysses Guimaraes chamou a atenção para a letra da canção em um discurso na Câmara Federal.”(3)

Outra banda que “explodiu” durante alguns poucos, mas intensos anos de sucesso (1985 a 1988) foi o RPM, um fenômeno pop que me lembrou o que se sucedeu com o “cometa” Peter Framptom, em meados da década de 1970, quando no início da adolescência ouvia Baby, I Love your way, I’m in you e Show Me the Way pelas ondas do rádio.

Embora tenha se destacado apenas com Alvorada Voraz, em termos de protesto social e político, o RPM fez um gesto que me chamou a atenção, a atualização de alguns versos quando da regravação da mesma canção, no ano de 2002.

Na primeira versão, eles se detiveram em fatos políticos e criminais de destaque, que antecederam a década de 1980 , como crimes do colarinho branco e nas torturas: O caso Morel, o crime da mala, Coroa-Brastel, O escândalo das jóias. E o contrabando, e um bando de gente importante envolvida (...) Juram que não torturam ninguém.”

E, na segunda versão de “Alvorada Voraz” , as questões selecionadas foram do final do final dos anos de 1980 até aquelas dos anos 2000, O caso Sudam, Maluf, Lalau, Barbalho, Sarney. E quem paga o jornal é a propaganda, pois nesse país é o dinheiro quem manda (...) E juram que não corrompem ninguém”.

E, como se sabe, o roubo do dinheiro público é um dos responsáveis pela “tragédia urbana”, na medida em que compromete o investimento público em geração de emprego e renda, educação, saúde, cultura, moradia, trânsito, esporte e lazer.

Já em outra vertente mais pessoal e existencial, sem perder a conexão com os aspectos sociopolíticos, não se pode esquecer de Renato Russo e seus parceiros da Legião Urbana, em função da quantidade e da diversidade de problemas do cotidiano de adolescentes e jovens, abordado por eles em suas composições.

Um exemplo disso é Faroeste Caboclo, maior sucesso radiofônico de 1988, presença obrigatória em bailinhos, sempre cantada em coro. Ao tentar explicar o sucesso da música, Renato Russo afirmou, naquele mesmo ano, que, entre outros motivos, “Fora o fato da música falar de um cara que está sofrendo altas dificuldades, tentando manter sua honra, as pessoas se identificam com isso”.(4)

Em Pais e Filhos, " É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã" um dos maiores sucessos do grupo, podemos identificar elementos muito próximos do drama existencial e familiar vivido pelo assassino de Glauco e de Raoni, conforme mostrado pela imprensa.

“Quero colo, vou fugir de casa, posso dormir aqui com você? (...) Eu moro com a minha mãe, mas meu pai vem me visitar. (...)”. E, como conseqüência, a tragédia atinge o ápice com: “ela se jogou da janela do quinto andar” ou no caso relacionado: Ele mata duas pessoas e, na fuga, quase tira a vida de uma terceira.

Em Aloha, Renato Russo assume o protesto juvenil de forma mais ampla, afirmando: “Será que ninguém vê o caos em que vivemos? Os jovens são tão jovens e fica tudo por isso mesmo, A juventude é rica, a juventude é pobre. A juventude sofre e ninguém parece perceber.”

E concluo ampliando o raciocínio do compositor e ainda faz muito mais gente sofrer. Ainda trazendo mais idéias abordadas nos versos da letra da canção “Muros e Grades”, vale a pena procurarmos saídas para aquilo que seus autores descrevem como uma vida superficial, sem sentido e absurda.

Na composição Comida”, dos Titãs — um dos grandes sucessos da banda naqueles anos —, encontramos a afirmação enfática do fazer artístico como uma das possibilidades para superar ou amenizar as angústias ou ansiedades da(s) galera(s): “A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte”.

Afinal, como afirmou Vanderley, professor de história, artísta plástico e escritor, no II Fórum Popular de Cultura (2006), “quando a gente se nega a ser criativo e criador, nós negamos a nossa condição humana e a nossa humanidade”.

E para ampliar os horizontes sobre as questões aqui postas em foco pelas composições selecionadas por nós, recomendamos a leitura do excelente artigo Um Sentido para a Vida”, do Frei Betto, um cara que viveu a adolescência e a juventude bebendo na fonte daquilo que melhor foi produzido nas década de 60, 70 e 80, em matéria de arte, espiritualidade, filosofia e política, o qual, hoje, já com cabelos brancos, esbanja uma vitalidade que inspira garotos e garotas de todas as idades.


NOTAS:

(1) – No auge do sucesso eu não era nem tão ligado nos Engenheiros do Hawaii e no Legião Urbana. Na verdade, as minhas bandas de rock preferidas eram a Cor do Som e o 14 Bis, cuja sonoridade não eram nem tão “rock” assim, por causa da influências daquilo que era chamado na época de MPB, que em matéria de música era o que me atraía mais,e, em menor grau, o folk, a música latina e alguns clássicos do rock .

(2) – No universo do debate dos problemas nacionais, muita gente não vê com bons olhos a explicação das questões da violência urbana, como intrinsecamente relacionadas às desigualdades, no tocante a má distribuição de renda, concentração de terras e, a incapacidade da maior parte das nossas elites dirigentes, em utilizar o estado como instrumento da melhoria do padrão de vida da maioria da população. Este pensamento é bastante disseminado por meio de radialistas e apresentadores de televisão, “abutres” que se nutrem das tragédias urbanas para conquistar audiência e, em alguns casos, votos.

“Ora senhores, certo perdestes o senso” porque basta comparar a nossa situação em matéria de criminalidade com os países do norte da Europa, Dinamarca, Finlândia, Suécia, Noruega entre outros, para percebermos a grande diferença.

Como estes países têm uma das distribuições de renda mais igualitária, serviços públicos de excelente qualidade e um sistema de proteção social primoroso, os indicadores de violência urbana são baixíssimos.

(3) ALZER, Luiz André e CLAUDINO, Mariana. Almanaque Anos 80. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004

(4) ALEXANDRE, Ricardo (org). História do Rock Brasileiro (Vol. 3). São Paulo: Editora Abril, s/d.

 

O Portal do Som (1)  

Divulgação
Fernanda Takai

Zezito de Oliveira · Aracaju, SE
28/1/2010 · 16 · 24
A música brasileira aproximando gerações e rompendo preconceitos

Quem gosta muito de música popular brasileira ficou surpreendido em 2007 com o lançamento do CD "Onde brilhem os olhos meus", gravado por Fernanda Takai, do grupo Pato Fu, com releituras de músicas gravadas por Nara Leão. E dentre estas, a música “Diz que fui por aí”, gravada por Nara e também por Zé Keti, criador da canção.

Nesta gravação, considero bem interessante o andamento da música — cantada e tocada de forma mais lenta, ficando algo bem próximo a uma balada pop —, como pode-se perceber pelo toque da bateria e pela batida do violão. Não imaginava ouvir um samba tradicional dessa maneira. Causou-me muita alegria ouvi-lo nesta nova versão. E, Importante para o resultado final não esquecermos a “delícia” que é ouvir a voz de Fernanda Takai.

O cantor e compositor Zé Keti é um renomado sambista que teve uma trajetória de sucesso no Rio de Janeiro, tendo no show Opinião, símbolo da resistência cultural à ditadura militar nos anos 60, e no registro fonográfico do evento, um marco fundamental em sua carreira. O carioca Zé Keti é um autor ligado a um gênero musical tradicional, além de outros (boleros, forró, toadas e modinhas) que aprendi a respeitar e gostar , ouvindo, a partir de meados dos anos 70, releituras nas vozes de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethânia, Novos Baianos etc.

E essa ampliação do espectro do gosto musical não ficou apenas por aí; até compositores da música caipira paulista, como João Pacifico, através de uma gravação de Beth Carvalho, em meados da década de 80, ganhou a minha predileção (cd Na Fonte de 1981). A partir daí, fiquei despertado para mais ouvir composições da autoria desse compositor. E quem tornou isso possível foi a iniciativa do Antônio Fagundes. Ele mesmo! O bem sucedido ator de novelas, que gravou um disco muito bom de se ouvir, com acompanhamento de coro e de um conjunto sinfônico, somente com músicas do velho e bom compositor paulista.

Dentre as primeiras regravações/releituras que ouvi, em meados dos anos 70, a música “Coração Materno”, do Vicente Celestino, regravada por Caetano Veloso, marcou-me bastante, pelo fato inusitado que representou na época. Tal qual muita gente, tomei um susto! Porque, apesar de minha pouca idade na época, eu já tinha ouvido, de forma indireta, uma música ou outra de Vicente Celestino, e sua obra representava, para as novas gerações que “curtiam” as músicas da moçada que surgira com os festivais ou na onda da “jovem guarda”, aquilo que de mais atrasado, cafona e careta poderia existir.

Mas, o tempo foi passando e muitos jovens passavam a ter contato com a obra de Dalva de Oliveira e Herivelton Martins (cujo romance tumultuado foi tema de uma minissérie apresentada pela Globo neste inicio de 2010), além de Noel Rosa, João do Vale, Lupicínio Rodrigues, Ismael Silva, Ataulfo Alves, Dolores Duran, Jackson do Padeiro, Pixinguinha, Braguinha etc., principalmente nas vozes dos tropicalistas.

Dentre estas, destaco em especial os dois LP´s — sucessos de público e de crítica — com músicas exclusivas dos compositores Dorival Caymmi e Ary Barroso, lançadas no mercado por Gal Costa nos anos de 1976 e 1980. Destaco também a antológica gravação de “Índia”, uma guarânia, estilo musical bastante comum no Paraguai e nas cidades brasileiras de fronteira com nossos hermanos latino-americanos, cuja primeira gravação de sucessso no Brasil foi realizada pela dupla Cascatinha e Inhana, em 1952. Sendo que “India” é uma das músicas preferidas de minha mãe.

E é nisso que reside uma das principais contribuições do movimento tropicalista na cultura brasileira: propiciar as novas gerações compreender, respeitar e até mesmo admirar alguns compositores e cantores que apresentaram músicas que fizeram parte da história de vida de nossos pais e avós, nos proporcionando também entrarmos em sintonia com os sentimentos, emoções e valores, como também dos acontecimentos cotidiano daqueles que nos antecederam. E isso a música dos grandes compositores de todos os tempos faz muito bem.

Outras regravações/releituras que me marcaram: Uma produzida nos anos 80, a de “Luar de Sertão”, do compositor Catulo da Paixão Cearense, realizada em um belo e emocionante dueto de Milton Nascimento com Luiz Gonzaga e, mais recentemente, uma dobradinha musical de Jair Rodrigues e Rappin Hood, em torno da música Disparada, do Geraldo Azevedo e Téo de Azevedo, um dos maiores sucessos dos festivais dos anos 60.

E isso prossegue, quando garotos e garotas ouvem regravações/releituras de músicas de Chico Buarque, Cartola, Roberto e Erasmo Carlos, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Noel Rosa e de outros clássicos, na voz de Chico Science,Skank, J. Quest, Rapin Hood, Maria Rita, Vanessa da Mata, Adriana Calcanhoto e tanta gente nova. Isso garante que a permanência na memória nacional do que temos de melhor na arte musical brasileira perdurará além do período histórico em que foram concebidas, assim como acontece com a música erudita de Bach, Mozart, Techaikovsky, Beetoven e de tantos outros.

O inverso também ocorreu com os cantores da “velha guarda” que regravaram músicas de compositores da nova geração. Na década de 70, Orlando Silva e Luiz Gonzaga fizeram isso e no final da década de 80, Nelson Gonçalves gravou Cazuza, Lobão, Kid Abelha. Também ao ouvir “Nada por mim” originalmente gravado pelo Kid Abelha na voz do cantor de “boemia” fiquei muito feliz e também satisfeito pela forma “abolerada” como Nelson Gonçalves interpretou a canção.

Sobre Luiz Gonzaga e o forró pé-de-serra, na década de 70, tornou-se novamente merecedor de atenção de parcela importante da juventude a partir da inclusão de músicas que fizeram sucesso na voz do velho Lua, nos discos de Caetano, Gil, Gal e Bethania, além da presença do jovem Dominguinhos que adentrava no cenário da música brasileira em alguns momentos, na companhia dos tropicalistas.

Por último, uma grata surpresa chega em minhas mãos no ano de 2009, o CD da cantora baiana Patrícia Costa, com releituras de músicas que fizeram sucesso no período áureo da chamada axé music — década de 80 e meados de 90 do século passado, em versão acústica e com um estilo intimista e delicado. É incrível como músicas que agitaram as ruas quando cantadas em ritmo frenético próprio se transformaram em melodias suaves e tranqüilizantes!

Bom para ouvir especialmente após um dia de trabalho, quando coloco a rede no quintal, ligo o som, coloco o CD Acústico Bahia da Patrícia, e fico ouvindo as músicas na companhia da lua e das estrelas (tendo às vezes ao lado a mulher companheira), sem esquecer, é claro, de intercalar com todos aqueles já citados, como também com o trabalho musical de outros ritmos e cantores/compositores não citados nesse texto.

Afinal, boa música pode ser encontrada em todos os ritmos, tempos e lugares.

P.S.:
Ouça "Luar do Sertão" na versão de Maria Bethania.
Ouça "India" na versão de Roberto Carlos.
Ouça "Diz que fui por aí" na versão de Seu Jorge e Luiz Melodia.

Se alguém perguntar por mim, veja a programação do projeto verão de Aracaju, edição 2010, em especial a do dia 04/02/10 e saberá onde me encontrar.


Nenhum comentário: