CANAL DA AÇÃO CULTURAL

Loading...

sábado, 21 de novembro de 2015

Curta-SE 15 inicia com Mostra Competitiva de Curtas Sergipanos. Flores do Jardim foi um dos exibidos.

 O filme “Flores do Jardim”, foi produzido através do projeto “Inventar com a diferença”, da Universidade Federal Fluminense, que através da parceira com diversas escolas públicas, favoreceu a produção de oficinas locais e realização do projeto. “Enquanto professor de uma das escolas parceiras do projeto, me orgulho de colocar uma comunidade estigmatizada pela sociedade para mostrar um outro olhar sobre o que elas fazem e forma como vivem”, ressaltou o professor José de Oliveira Santos.

Os alunos (as) envolvidos na produção, não puderam participar da sessão porque os demais filmes exibidos, tiveram como classificação indicativa a idade de 18 anos.



Com esta terceira participação, Flores do Jardim encerra a carreira de participação em Festivais de Audiovisual, chegando aonde não tinha sido planejado. Festival do Rio 2014. Festival Visões Periféricas (RJ) 2015 e Curta SE 2015. Em dezembro pretendemos iniciar um abaixo assinado online e impresso, para cobrar das autoridades, estado e governo federal, o dinheiro que está retido, para realizarmos em 2016 outras oficinas de audiovisual, assim como de outras linguagens artisticas. Contamos com a colaboração de todos (as). Mas o Cineclube Realidade no Conjunto Jardim prossegue, com exibição quinzenal de filmes, fruto da parceria Ação Cultural/Ponto de Cultura Juventude, Escola Júlia Teles e Projeto Rap Identidade Cultural.







Curta-se---Abertura-36

A 1º Mostra Competitiva de Curtas Sergipanos do Curta-SE 15 fez parte da programação da noite de abertura do Festival, exibindo oito produções, com duração média de 20 minutos. Após os filmes, centenas de pessoas puderam votar entre curtas dos mais diversos gêneros, como documentário, animação e ficção, dando notas de 1 a 5 e, assim, eleger a melhor produção da noite.

Foram exibidos os filmes “A mão do Pajé” dirigido por Rita Simone Liberato, “Chica Chaves” sob direção de Gabriela Caldas e Sérgio Borges, “Conflitos e Abismos – A expressão da condição humana” de Everlane Moraes, “Erasmus Mundus – Engenheiros da Ásia” de Antônio Ettinger, Daniel Catalão, Catarina Medeiros e Kim Oan Ung, além de “Flores do Jardim” que teve uma direção coletiva, “Madona e a Cidade Paraíso” dirigido por André Aragão, “Snapic – Música pra ver” da Snapic e “Uma mulher à frente da carroça” sob direção de Ewerton Nunes.

Filmes

Curta-se---Abertura-38O curta “A mão do Pajé”, primeiro documentário exibido na noite, apresenta a aldeia Cinta Vermelha-Jundiba, no Vale do Jequitinhonha (MG), que desenvolve uma série de projetos buscando resgatar os conhecimentos tradicionais e inseri-los na educação escolar do povo Pataxó e Pankararu.

Já o filme “Chica Chaves” traz um olhar sobre o Bairro Industrial, localizado em Aracaju (SE), a sua memória e educação patrimonial. De acordo com o diretor Sérgio Borges, “a obra ‘Os Corumbas’, de Armando Fontes, foi fundamental para a construção do curta. Participo desde o primeiro Curta-SE e, como já ganhei vários, inscrevo todos os trabalhos que faço aqui no Estado, mas acredito que a minha grande premiação já é a participação do documentário no Festival”.

Em seguida,“Conflitos e Abismos – A expressão da condição humana” abordou a pintura de um artista plástico que exprime o que há de mais real na vida do homem e que cria a possibilidade do humano se redimir através da autoavaliação. “Eramus Mundus – Engenheiros da Ásia”, quarto curta da noite, retratou a vida de estudantes asiáticos mostrando as diferenças sociais e culturais nos quais foram expostos após mudarem de cidade.

“Madona e a Cidade Paraíso” leva ao público a história de conhecido travesti sergipano, tratando da problemática da violência praticada contra os homossexuais. Segundo Arthur Pinto, diretor de fotografia de “Madona”, “o filme já foi exibido em diversos países e agora é a oportunidade de apresentar ao nosso Estado. Por ser um filme que dialoga, e não só de entretenimento, ver a reação do público sergipano no Curta-SE já é o nosso prêmio”.

Logo depois, foi a vez do documentário “Snapic – Música pra ver” que abordou o processo do projeto que envolve o primeiro livro de fotografia de música de Sergipe, além das três exposições fotográficas realizadas para difusão do mesmo. Para finalizar a noite, foi exibido o filme experimental “Uma mulher à frente da carroça”, que retratou a violação dos direitos humanos, levando pessoas a condições indignas de vida, ressaltando ainda as consequências do trabalho infantil.

“O filme ‘A mulher à frente da carroça’ me sensibilizou por mostrar a triste realidade e as dificuldades da vida. Acredito que este tenha sido o filme que mais se aproximou da realidade, retratando a falta de necessidades básicas para um ser humano e o sofrimento de uma mãe e seu filho por conta disso”, afirmou a professora Rosane Bezerra Soares.

Para o produtor Joseph, o Curta-SE melhorou muito a visibilidade do audiovisual em Sergipe, por dar a chance dos artistas mostrarem os seus talentos. “A gente sabe que trabalhar com arte em Sergipe é muito difícil, mas o Festival mostra que o cinema em Sergipe está vivo e que nós temos bons produtores e cineastras aqui em Sergipe. O Curta-SE veio para valorizar o audiovisual sergipano e ensinar o público a ir ao cinema acompanhar bons filmes”, completou ele.

O resultado da votação de hoje sairá no sábado, 21, último dia do Festival. O filme vencedor pelo júri oficial, receberá o Prêmio CiaRio, no valor de R$ 7 mil em serviços, como locação de equipamentos, acessórios e maquinaria, e o Troféu Ver ou não Ver. Além do melhor curta sergipano, também será eleito, através do júri oficial, o filme com a melhor fotografia e melhor direção. O filme eleito pelo júri popular também será premiado no próximo sábado.

Curta-SE 15

Através da Lei de incentivo à Cultura, o festival tem o apoio da Revista Preview, AVBR Produções, Pelicano, Benedito Lado B Produções, Mix Estúdios, Mistika, Cia Rio, Tagi.i, ABCA, Pontão de Cultura Digital Avenida Brasil, NET, Shopping Rio Mar, Festival de Avanca - PT e Fest'Afilm - FR, Superlux, TV Sergipe, Secretaria de Estado da Cultura,  e apoio cultural do Cinema Vitória, Banco do Nordeste do Brasil, Cinemark e HS Áudio e Vídeo. A realização é da Casa Curta-SE e Ministério da Cultura /Governo Federal.

Por Carolina Leite e Victor Hugo Oliveira
Fotos: Erwin Camara 

Nenhum comentário: