VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Curta sergipano é selecionado para o Festival do Rio 2014


15/09/2014 às 09h46 - Cultura

JORNAL DA CIDADE

Suyene Correa



Foto: Divulgação

Alunos da Escola Júlia Teles durante oficina de vídeo promovido pelo projeto “Inventar com a Diferença”
Se durante muito tempo os alunos da Escola Estadual Júlia Teles, localizada no Conjunto Jardim, Município de Nossa Senhora do Socorro, só tinham o que lamentar, por conta da violência que insistia em bater à porta da instituição de ensino, eis que agora, eles têm muito o quê comemorar devido à seleção do curta “Flores do Jardim” para a Mostra Geração- o segmento infanto-juvenil- do Festival do Rio 2014.

Este é o primeiro filme sergipano a ser selecionado nesse tradicional festival de cinema brasileiro- que acontece de 24 de setembro a 8 de outubro- e sua exibição será no dia 30 de setembro. “Flores do Jardim” competirá com produções nacionais e estrangeiras feitas por jovens realizadores, não universitários, de até 18 anos.
Feito coletivamente por alunos do ensino fundamental da Escola Júlia Teles durante a oficina de vídeo ministrada pela diretora Gabriela Caldas, dentro do projeto “Inventar com a Diferença” promovido pela Secretaria Nacional dos Direitos Humanos da Presidência da República e Universidade Federal Fluminense (UFF), o curta funciona como uma espécie de  desabafo de uma garotada que sofre com os constantes atos de violência na comunidade e com o descaso da mídia, que explora de forma sensacionalista, as mazelas da localidade socorrense.

 “Flores do Jardim” inicia com os alunos recitando um trecho do belo poema “No Caminho, com Maiakóvski” de Eduardo Alves da Costa. Em seguida, Sheila, Levi, Camila, Vaneide, Maria Jamile, Luan, Cícero, Hernades, Yasmin e outros estudantes falam de forma espontânea sobre seu cotidiano no Conjunto Jardim, relatando os afazeres escolares, as brincadeiras e a importância da “Júlia Teles” nas suas vidas.

Segundo Gabriela Caldas, que também foi a mediadora do projeto no Estado, os jovens realizadores receberam com muita alegria a notícia sobre a seleção do curta no Festival do Rio. Esse filme foi o resultado de um trabalho desenvolvido durante três meses (entre março e junho) por alunos do 6º ao 9º anos, da referida escola, dentro da oficina de produção de vídeo, tendo o aval dos professores Vladimir da Silva Guimarães (Português) e José de Oliveira (História).

“Em comunidades onde a questão da identidade era melhor definida e trabalhada, os alunos eram mais espontâneos e lidavam melhor com a câmera. Mas em outras localidades, como o caso do Conjunto Jardim, onde a violência é uma constante, a autoestima dos garotos tinha que ser estimulada. Mudar essa visão das crianças para com elas mesmas e o outro, é um dos desafios do projeto. Acho que um exemplo do quanto avançamos em relação a isso, é esse resultado conquistado pelos estudantes da Escola Júlia Teles”, conta Caldas.

Para se ter uma ideia do drama desses jovens, a escola foi incendiada em agosto de 2013, depois de ter sofrido diversas invasões noturnas. Segundo o professor Vladimir Guimarães, por conta do incêndio criminoso, a escola sofreu vários prejuízos. “O forro da escola recém-colocado sofreu avaria, assim como mesas e cadeiras dos estudantes. Três salas tiveram que ser reformadas, 50% do arquivo da escola foi perdido, enfim, um transtorno para todos. O que nos deixou mais triste, foi saber que tinha ex-alunos envolvidos com esse ato covarde”, diz.

Como se não bastasse isso, dois alunos da Escola Júlia Teles foram assassinados no primeiro semestre, aumentando as estatísticas da violência na comunidade e ajudando no reforço dos estereótipos tão propagados pela mídia, de que no Conjunto Jardim só tem ladrão e assassino. Para Vladimir Guimarães, o projeto “Inventar com a Diferença” surgiu como um “mapa da mina” no que tange à possibilidade de mostrar o outro lado da moeda.

“No primeiro momento, havia grande timidez por parte dos alunos em relação às atividades, ao manuseio dos equipamentos. Eles estavam acostumados aos selfies, às saídas das aulas para postar fotos no banheiro, a gravação de brigas entre eles. O projeto ajudou na mudança de foco. Eles começaram a sentir a necessidade de mostrar o outro lado da moeda: de se mostrarem como adolescentes comuns e não de maneira equivocada, que só fazia reforçar os estereótipos”.
Segundo o professor de Português, a oficina foi uma excelente oportunidade para reforçar a autoestima dos estudantes. “O interesse pelas demais atividades da escola aumentou com isso. A oficina tinha sofrido evasões e, quando ela estava em 1/3, alunos novos ‘imploraram’ para participar e isso foi uma excelente propaganda do projeto e deles mesmos. Eles começaram a sentir orgulho por fazer algo que deixaria marcas positivas”, conclui.

Para o professor José de Oliveira, a conquista da seleção na Mostra Geração/Festival Rio 2014, representa a afirmação de que vale a pena desafiar o senso comum, alimentado por muitos programas de televisão e de rádio, que diz “não é possível sair nada que preste do Conjunto Jardim e de outras periferias que existem por esse Brasil afora”.

“Há muitas pessoas que não tem dimensão de como iniciativas como o ‘Inventar com a Diferença’ são necessárias e como os aspectos da construção ou reconstrução da autoestima são importantes. Afinal, os homens e mulheres não vivem somente do pão....Temos fome de beleza também. Por muitos adultos não compreenderem isso, é que, sem querer, acabam contribuindo para que esta fome de beleza seja saciada em fontes poluídas ou estragadas, mesmo que aparentemente não demonstrem ser”.
Gabriela Caldas já garantiu a ida ao Festival do Rio, mas uma campanha foi iniciada pelos professores envolvidos no projeto, para que dois alunos marquem presença no dia da exibição de “Flores de Jardim” na Mostra Geração. Tomara que consigam!!

Nenhum comentário: