VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

domingo, 9 de agosto de 2015

Curta "Flores do Jardim" é selecionado para participar do Festival Visões Periféricas 2015


 Mais uma vitória!!!

Depois de selecionado para apresentação no Festival do Rio em 2014. Flores do Jardim é selecionado em 2015, para ser exibido no Festival Visões Periféricas , outra vez no Rio de Janeiro. 
O filme "Flores do Jardim" é resultado de uma oficina realizada na Escola Estadual Júlia Teles no ano de 2014, através do  projeto "Inventar a Diferença" da Universidade Federal Fluminense e que em Sergipe contou  com a mediação da professora e realizadora de audiovisual  Gabriela Caldas e dos professores Zezito de Oliveira e Vladimir Guimarães.  
 Sinopse - Conjunto Jardim, periferia da grande Aracaju, é caracterizado pela caricatura da mídia policial de Sergipe. Flores do Jardim, nasceu da necessidade de se criar uma voz que rebatesse a mídia que tanto estigmatiza a comunidade em que a escola está inserida. Criando assim, uma polifonia onde cada um se reafirma como protagonista dessa estória, uma nova estória contada por eles.


  A informação enviada pela produção do festival  foi realizada nos seguintes termos:
Prezado (a) realizador,
"Temos a satisfação de informar que seu filme foi  selecionado para a mostra competitiva do Festival Visões Periféricas 2015, que ocorrerá nos dias 18 a 23 de agosto de 2015, no Rio de Janeiro.
 Agradecemos a todxs que inscreveram seus filmes e parabenizamos os selecionadxs. Não é uma tarefa fácil, pois trata-se sempre de um recorte em função do perfil e objetivos do festival, o que muitas vezes deixa de fora filmes interessantes, mas que não atendem aos critérios de curadoria. Procuramos compor um painel de filmes que ampliem e problematizem esteticamente a noção de periferia e que sejam representativos do tamanho e diversidade do país" 
De Sergipe, também foi selecionado Madona e a cidade paraíso, de André Aragão (SE). Para saber mais, clique aqui
 
O projeto articula audiovisual, educação e tecnologias para ampliar o universo de expressão e percepção estética das múltiplas periferias brasileiras. Durante os dias em que acontece o festival recebe e promove o encontro entre filmes e diretores de diversas partes do país e continente. O Visões Periféricas é um festival pioneiro no Rio de Janeiro. Não só foi o primeiro a criar um espaço privilegiado para filmes e realizadores oriundos de oficinas, escolas livres e projetos de formação do Brasil, como também é pioneiro ao realizar exibições em regiões da cidade que até então não eram contempladas por festivais desse porte, como as favelas cariocas. Regina Casé, Eduardo Coutinho, Marcelo Yuka e a atriz Léa Garcia já foram homenageados neste que é um festival referência no país e América Latina.
O grande homenageado do Visões Periféricas 2015 é o FUNK, PATRIMÔNIO CULTURAL CARIOCA.
E pra fazer jus a esta homenagem, na abertura do festival teremos a estreia do filme FUNK BRASIL – 5 visões do batidão, de Luciano Vidigal, Marcelo Gularte, Paulo Silva, Julio Pecly, Rodrigo Felha, Chrisitan Caselli e Cavi Borges e contaremos com as ilustres presenças do DJ Marcão (Cash Box) e do DJ Batutinha, que irão receber o troféu da nossa homenagem, além da glamurosa Lexa.
E ainda teremos mesas de debates sobre o funk carioca, dentro da nossa programação. Acompanhe o festival por https://www.facebook.com/visoesperifericas?fref=ts
Curtiu a vibe? Então espalhe por aí ‪#‎VisõesPeriféricas2015‬ ‪#‎FunkCarioca

Projetos selecionados - Visões Periféricas 2015 

A lista a seguir foi atualizada no dia 11 de julho com o acréscimo dos selecionados na mostra Panorâmica.


Selecionados Panorâmica


  • Entreturnos, de Edson Ferreira (ES)
  • Matança, de Maria Mazzillo Costa (RJ)
  • Brasil S/A, de Marcelo Pedroso (PE)
  • Ela Volta na Quinta, de André Novais Oliveira (MG)
  • Tudo vai ficar da cor que você quiser, de Letícia Simões (SP)
  • Copa pra alemão ver, de Grupo Faveladoc (RJ)
  • Anjos e Trovoadas, de Juliana Radler (RJ)
  • O Lugar das Perdas, de Israel Branco (CE)
  • Mães do Pina, de Leo Falcão (PE)

Selecionados Lugar Incomum


  • Restrutural, de Marcelo Díaz (DF)
  • Febre da madeira, de Daniel Nolasco (RJ)
  • Hoje é dia de folia, de Paulo Roberto de Araújo (GO)
  • Nau Insensata, de Cristiano Sidoti (SP)
  • Dia da Mentira, de Thiago B. Mendonça e Marco Escrivão (SP)
  • Entrada pela frente, de Leonardo Cata Preta (MG)
  • Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano (DF)

Selecionados Singular Periferia


  • Milton - o cineasta da Vila, de Fabricio Mafezoli (SP)
  • SerTão resistente, de Roger Pires, Bruno Xavier, Pedro Rocha, Ivna Girão (CE)
  • Conselhos Entoados, de Paola Correia Mallmann de Oliveira, Eugênio de Souza Barboza (RJ)
  • Piquete, de Coletivo Nigéria (CE)
  • Nunca Esqueça, de Thiago Bezerra Benites (PR)
  • A casa alta da Dona Irene, de Edinardo Lucas, Lucas Felício (GO)
  • A rua na dança, de Keila Serruya (AM)
  • O bom Malandro, de Mariana Castelo Branco (MG)
  • Negro lá Negro cá, de Eduardo Cunha (CE)

Selecionados Tudojuntoemisturado


  • A saída da fábrica, de Lucas Florêncio Guerra (SP)
  • Ausência, de Ricco Lima e Layla Fassarella (RJ)
  • Chaira, de Junior SQL (RJ)
  • Escola no Cinema, de Lucas de Sá (AM)
  • Eu etiqueta, de Alex Walker (AL)
  • Inerte, de Davi Mello (SP)
  • Mu Ro Ru Mo, de Heraldo HB (RJ)
  • O Menino e o pássaro, Ricardo Sena (BA)
  • Otimizado, de Cristiano Sousa (GO)
  • Ritual Pam Pam Pam, Ramon Coutinho (BA)
  • Um minuto de brasilidade, de Bruno Pereira e George Augusto (AM)
  • Volta, de João Lima (RJ)

Selecionados Visorama


  • Armat Jakawinaka – vidas ausentes, de Ronaldo Dimer, Academia Internacional de Cinema (SP)
  • Assassinato em Broadcast, de Felipe Dutra, Cinemaneiro (RJ)
  • Autorretrato, de Turma VI de Vídeo, Oi Kabum! Salvador (BA)
  • Cartas de Antônio, de Luana Farias, Elena Meirelles, Júlia Meirelles, Felipe Fernandes, Mariana Moron (RJ)
  • Cinema do meu bairro, cadê você?, de Renata Lima, UFRJ (RJ)
  • Do futuro, de Thiago Gallego, Madiano Marcheti e Joana Werner, PUC-Rio (RJ)
  • Em transe, de Fernando Daghlian, Ana Borges, Érica Vieira, Estela Ribeiro, Malu França, Mariana Rio, Cinema Nosso (RJ)
  • Flores do jardim, de Escola Estadual Júlia Teles (SE) em Parceria com o Projeto Inventar com a Diferença da UFF (RJ)
  • Raspage, de Cineclube Nome Provisório, Instituto Marlim Azul (ES)
  • Sente-se em casa, de Turma IV de Fotografia, Oi Kabum! de Recife e Auçuba Comunicação e Educação (PE)
  • Sons da Maré, de Raphael Peixoto, Escola Popular de Comunicação Crítica do Observatório de Favelas (RJ)

Selecionados Fronteiras Imaginárias


  • A voz do povo, de Germano Weiss (RJ)
  • Artigo 6º - não queremos virar estatística, de Vitor Kruter (RJ)
  • Crua, de Benedito Serafim (PE)
  • E o amor foi se tornando cada dia mais distante, de Alexander de Moraes (RJ)
  • Gerais, de Tiago Carvalho e Arthur Frazão (RJ)
  • Ilhados, de Wayner Tristão e Lucas Bonini (ES)
  • Madona e a cidade paraíso, de André Aragão (SE)
  • Malha, de Paulo Roberto (PB)
  • O dia que ele decidiu sair, de Thamires Vieira (BA)
  • O Maraca é nosso?, de Canal Molambo (RJ)
  • O vulto, de Wladymir Lima (AL)
  • Ocupação, de Diego Jesus (RJ)
  • Operários do samba, de Carolina Calcavecchia (RJ)
  • Paixão nacional, de Jandir Santin (PR)
  • Resguardo, de Francisco Franco e Luiz Fernando Priamo (MG)
  • Rua da solidariedade, de Jader Chahine e João Paulo Bocchi (SP)
  • Ruim é ter que trabalhar, de Lincoln Péricles (SP)

Selecionados Cinema da Gema


  • Casa Félix, de Arthur Moura (RJ)
  • Como seria?, de Daniel Gonçalves (RJ)
  • Doutor Magarinos, advogado do morro, de Ludmila Curi (RJ)
  • Elekô, de Coletivo Mulheres de Pedra (RJ)
  • Jurema, de Clementino Junior (RJ)
  • Lira do 13, de Pedro Gui e Saulo Nicolai (RJ)
  • Penha, uma festa carioca, de Ricardo do Carmo (RJ)
  • Programa da tarde, de  Bruno Rubim, Escola de Cinema Darcy Ribeiro (RJ)
  • Quem matou Gilberto?, de coletivo Na Favela (RJ)
  • Sem título (Bangu), de Michel Schettert (RJ)
  • Sexy trash ou: como parei de me preocupar e passei a amar o Rio de Janeiro, de Tainá Rei (RJ)
  • Todas as coisas são uma metáfora sobre a morte, de Beto Waite (RJ)
  • Um filme para Gerson, de Getulio Ribeiro e Melise Fremiot (RJ)
  • Vegetal, de Thor Weglinski e Fabiano Soares (RJ)
  • Vermelho, de Márcia Bellotti (RJ)
  •  
  • Para saber como foi o festival visões periféricas 2014, clique  aqui

Nenhum comentário: