VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Lançamento do Plebiscito Popular em Sergipe reúne mais de 50 entidades




Na tarde dessa sexta-feira, 31 de janeiro, mais de 200 integrantes de movimentos sociais, movimentos populares, sindicatos e Igrejas lançou em Sergipe o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político. O lançamento ocorreu no auditório do Sindicato dos Bancários.





Fizeram parte da mesa de abertura representantes da Cáritas, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Coletivo Quilombo, Conselho Nacional de Leigos (Conal), Consulta Popular, Juventude do Partido dos Trabalhadores (JPT), Levante Popular da Juventude, Marcha Mundial das Mulheres, Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (MOTU), Movimento Sem Casa (MSC), União Sergipana dos Estudantes Secundaristas (USES), União Nacional dos Estudantes (UNE), além do Deputado Estadual João Daniel (PT), da Deputada Estadual Ana Lúcia (PT), do Vereador Iran Barbosa (PT) e de Sergio Morais, Defensor Público e presidente da ADPESE (Associação de Defensores Públicos de Sergipe). Além dessas, aproximadamente mais 30 entidades participaram do ato de lançamento do Plebiscito.


Todos esses representantes firmaram o compromisso em construir o Plebiscito Popular no estado de Sergipe, compreendendo a Reforma Política como uma pauta unificadora das lutas. Segundo eles, o Plebiscito deve tornar-se um grande momento de retomada do trabalho de base e de educação de massas.


Num segundo momento, o companheiro Leidiano Farias, da Consulta Popular do Ceará, reafirmou a importância da luta pelo Plebiscito Popular. O militante relembrou um pouco da história do Brasil e de outros países da América Latina que deram passos importantes na construção da democracia direta após uma Constituinte, como a Venezuela, Bolívia e Equador.


Segundo Leidiano, a nova classe trabalhadora que foi às ruas em junho de 2013 trouxe demandas que o atual sistema político, com seu perfil extremamente conservador, não consegue dar conta. Ainda existem muitas heranças da ditadura militar, como a polícia militarizada, a dívida pública, o sistema político, os oligopólios da mídia e as ausência de reformas estruturais.


O ato, além de abrir um novo horizonte de lutas no estado de Sergipe para o ano de 2014, deu início a um processo massivo de educação de massas. A juventude poderá fazer parte de um grande processo de retomada de trabalho de base para uma luta concreta e de extrema importância para a sociedade. Os movimentos sociais e os sindicatos ganham um novo combustível para seguir firme na luta. A esquerda se reoxigena como um todo, pois conforme diz na música “da unidade vai nascer a novidade”. Com o povo como protagonista dessa luta, damos passos importantíssimos para a construção de um Projeto Popular para o Brasil!



TODO PODER EMANA DO POVO!

PÁTRIA LIVRE, VENCEREMOS!




Fonte: Secretaria Operativa Estadual do Plebiscito Popular

Leia mais: AQUI

Nenhum comentário: