VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Flores do Jardim na Mostra Egbé de Cinema Negro de Sergipe

___________________________
Quero começar esse texto agradecendo a todos os que se somaram a essa construção que é realizar a EGBÉ - Mostra de Cinema Negro de Sergipe, todos os amigos envolvidos na equipe, as parcerias e aos apoiadores. Gostaria de agradecer não tão somente pelo apoio, mas por acreditar na importância da discussão que cada um desses filmes traz. 

Cada produção dessa, que iremos exibir durante os próximos dias, carrega consigo uma busca por ancestralidade, pela história do povo negro, que não está contada nos livros, muito menos nas novelas e nos jornais em que assistimos. São filmes que tratam de lutas, lutas de mulheres negras, jovens negros e o direito pela expressão de sua Religião Africana. E para comunicar isso, nesses filmes, foi preciso antes de qualquer câmera na mão, responsabilidade e respeito por nossa ancestralidade, pela história de luta dos que vieram antes, para hoje termos o pouco do direito que conquistamos. 

Por isso, não podemos aceitar mais atitudes racistas mascaradas em forma de humor. Nosso cabelo não é "exótico", não é "bonitinho", não é "exposição", nosso cabelo é raiz, faz parte de minha história, do meu corpo, de quem eu sou. A minha cor não é "caramelo", ou "jambo", ou "bombom", a minha cor é negra. E dela sentimos orgulho, pela história que carregamos.

Nós, cineastas negros, produtores, sabemos disso, mas é importante que qualquer comunicador também saiba, pois é com ele que está o poder de comunicar. É preciso ter responsabilidade ao falar de coisa séria no cinema, na TV e em qualquer meio de comunicação, é preciso ter respeito pelas pessoas e por sua estrada. 

Hoje à noite, consigo, através do apoio de muito trabalho de pessoas queridas e de parceiros, realizar um desejo, que também é da minha amiga e querida irmã preta, Everlane Moraes, que está longe mas que manda força e boas energias para essa mostra de cinema. Por saber do nosso esforço e de nossa luta diária no trabalho e na rua por respeito por nossa cor, é que pedimos maior reflexão no ato de comunicar nossos trabalhos, mais responsabilidade e respeito por nossa história.

Luciana Oliveira - Produtora Egbé - Mostra de Cinema Negro de Sergipe
06 de Abril de 2016.




 Levidário Pacheco e Cicero Moura que representaram a equipe do curta Flores do Jardim.
Abaixo: Foto de tela do curta Flores do Jardim, em exibição na Mostra Egbé.
---------------------------------

Na noite de quinta feira dia 07/04 , tivemos o prazer de ver o nosso filme "Flores do Jardim"  sendo exibido  no Centro Cultural de Aracaju. Um filme feito por alunos da escola Julia Teles, junto com os professores Vladimir Guimarães,  Zezito de Oliveira e Gabriela Caldas. 

Após a exibição do filme, foram realizadas  muitas perguntas. Perguntaram como foi gerado o conteúdo do documentário, quem teve a idéia, como nos sentimos após termos realizado o filme, como foi a reação  da população, se já foi exibido em praça pública na comunidade para que  todos pudessem assistir e etc... 
As minhas respostas foram as seguintes: O  conteúdo foi gerado devido a necessidade  de mostrar a realidade, relatei que estávamos perto do fim do projeto e ainda não sabíamos sobre o que seria o filme. Foi aí que a  Gabriela viu a necessidade  de falar sobre as dificuldades da comunidade e então  ela fez uma entrevista com cada um dos que estavam participando, assim foi gerado o conteúdo mostrado no filme, Sobre como nos sentimos após a realização, não poderia falar pelos outros, mas como eu me senti,  falei que foi uma experiência incrível e nova, e que me fez ver muitas coisas com outros olhos. Também não descrevi como foi a reação da população,  pois acredito que a maioria dela não  sabe ainda sobre o filme, pois não tivemos a oportunidade de apresentá-lo em um local público, mas falei que o professor Zezito já está com esse projeto em mente,  pois ele já me falou algo sobre isso.
Levidário Pacheco






Maíra Ramos, secretária da Ação Cultural, representando o coletivo/organização na exibição do curta Flores do Jardim e Daniel Augusto do coletivo  Levante Popular da Juventude.

 Leia também

segunda-feira, 11 de abril de 2016


Flores do Jardim na Mostra Egbé de Cinema Negro de Sergipe

______

2 comentários:

Dêninha apimentada disse...

Parabéns a todos os envolvidos!

AÇÃO CULTURAL disse...

Grato querida!

Zezito de Oliveira