VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Outra cidade ainda é possível: Ocupe Estelita renasce após repressão

Em Pernambuco
O movimento já resiste há 31 dias com objetivo de impedir avanço do projeto Novo Recife e pauta outra lógica de ocupação do espaço urbano
por Mídia NINJA publicado 23/06/2014 19:15
RESISTE ESTELITA/FACEBOOK
Estelita
Manifestantes permaneceram 28 dias dentro do local histórico; após repressão, seguem na ocupação, em frente ao cais 

Recife – “Não vai ter diálogo. Cinco minutos para desocupar!” De um lado, o choque, de outro, a cavalaria, de outro, o canil. Foi assim que na última terça-feira (17), a Polícia Militar de Pernambuco desocupou as pessoas que estavam acampadas no Cais José Estelita, em Recife. O movimento resistia há 28 dias no local, impedindo o avanço do projeto Novo Recife e pautando outra lógica de ocupação do espaço urbano.
A medida violenta cumpriu uma ordem de reintegração de posse emitida de maneira suspeita, questionada pelos manifestantes e declarada irregular pelo próprio Tribunal de Justiça de Pernambuco. Um dia antes de nova decisão, coincidentemente em dia de jogo do Brasil na Copa do Mundo, a polícia apareceu no terreno. A fala ríspida, proferida por um dos muitos policiais envolvidos na ação, mostra a postura desrespeitosa e pouco confiável do poder público perante a sociedade civil.
Em reuniões anteriores, tinha-se acordado que, em caso de desocupação, esta se daria de forma pacífica, com o intermédio do Ministério Público de Pernambuco e com 48 horas de aviso prévio. Não só foi desrespeitado esse tempo, como também o boato de reintegração, surgido um dia antes, foi negado pelas secretarias estaduais envolvidas no acordo horas antes da ação.
É importante esclarecer outra coisa: uma parte do terreno ocupado ainda é propriedade da União. Quando anunciada a reintegração, os ocupantes foram estrategicamente para esta parte, onde, por lei, a polícia não teria poder de ação. Foi exatamente lá que começou o primeiro ataque. Bombas, balas de borracha, spray de pimenta e até chicotadas.
Quatro pessoas foram presas, uma delas seminua e desmaiada. O único pobre e negro, entre as quatro, foi levado direto pro Centro de Observação e Triagem (Cotel).
A ação de repressão, que começou antes das 6h, acabou somente 15h depois. Os manifestantes resistiram e a polícia atacou cada vez com mais violência. Uma mulher foi arrastada pelo cabelo, uma grávida agredida, crianças ameaçadas, spray de pimenta disparado diretamente nos olhos de um homem e, como de costume na história dos movimentos sociais, ativistas perseguidos. A tentativa de desmoronar o movimento atingindo ocupantes considerados “lideranças” pelo poder é clara. Alguns receberam a notícia de que a polícia havia lhes procurado em casa, policiais perguntaram, durante o ataque, por pessoas específicas, como forma de amedrontar os ocupantes.
Apesar de toda a violência protagonizada pela polícia, uma coisa é certa, a esperança se fortaleceu nas pessoas que acreditam numa cidade melhor: Já são 31 dias de ocupação, que agora ocorre em frente ao Cais.
A indignação é o primeiro passo para a quebra da apatia, a presença massiva de pessoas no dia da resistência brutal reacendeu o fôlego do movimento. A partir da repressão, defender o Projeto Novo Recife não é só defender um modelo de desenvolvimento burro, mas é também se colocar ao lado de um grupo de empresas que, com o aparato da prefeitura e governo do estado, derramou sangue de dezenas de pessoas.
O Movimento Ocupe Estelita deu mais uma demonstração de força com o poder agregador que só o espaço público pode proporcionar. Da terça sangrenta para este domingo (22) foram diversas atividades, apresentações, produções críticas, da reconstrução da ocupação no viaduto ao banho de água, gentilmente cedido pelo motorista do caminhão pipa. Enquanto o projeto Novo Recife se encastelava com centenas de seguranças privados e cães de guarda no Cais, se via brotar a vida novamente, do lado de fora.
Luzes acesas num lugar que era abandonado. Música boa num local que só se ouviam buzinas. Milhares de pessoas em um espaço que fora esvaziado. A esperança renasce no Ocupe Estelita.






Nenhum comentário: