VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Ministério da Cultura busca uma participação social mais ampla e plural




25.3.2015 - 17:00  
Organizado pela Secretaria de Articulação Institucional (SAI), o bate-papo foi transmitido pela internet. (Foto: Oliver Kornblihtt)
 
O Ministério da Cultura começou nesta quarta-feira (25/3) uma série de conversas sobre participação social na área cultural.
 
Um dos principais temas discutidos foi a criação do Gabinete Digital no ministério. O debate foi organizado pela Secretaria de Articulação Institucional (SAI), por meio de um bate-papo transmitido pela internet.
 
"A atividade de hoje é muito importante. Estamos revisando os procedimentos para construir processos participativos, onde podemos aprofundar, pensar formulações nascidas na instituição", afirmou o ministro Juca Ferreira,que participou do início do debate.
 
Segundo o secretário de Articulação Institucional, Vinícius Wu, essa discussão ampliada com a sociedade vai reposicionar o ministério. "Queremos criar uma estrutura através das redes digitais. Hoje é o ponto de partida, o inicio do processo, que tem o diálogo como instrumento central", resumiu.
 
O ministro defende que a construção das políticas públicas não seja feita mais de forma verticalizada, apenas a partir do governo. "Vamos aprimorar o sistema de participação, buscando os que refletem sobre isso, buscando a academia, e também os que militam na área cultural, as pessoas que têm interesse nesta construção", completou.
 
Com relação à ampliação das participações, o secretário Vinícius Wu apontou a necessidade de incluir representantes dos Pontos de Cultura nas discussões do Conselho Nacional de Política Cultura (CNPC) e também repensar na atual sub-representação de negros e indígenas. "É preciso trazer para a agenda grupos que não encontram eco nas estruturas formais de representação." 
 
Novos participantes
Professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o cientista político Leonardo Avritzer destacou que a participação social tem de ser ainda mais ampla do que já é atualmente. "Hoje, temos um grande dilema de como estender e ampliar a participação para novos setores, como aqueles que participaram das manifestações de junho de 2013, que tinham um perfil mais jovem, com renda um pouco mais alta e nível de educação mais alto", observou.
 
Na mesma linha, a professora da Universidade de Brasília (UnB) Débora Cristina Rezende  defende que haja uma revisão nos conselhos e nas conferências realizadas pelo ministério. "É preciso rever em que medida estas instituições precisam criar mecanismo de comunicação mais amplo".
 
Um dos caminhos que o professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Wilson Gomes apontou foi a popularização das redes sociais de internet. Segundo ele, houve um acréscimo de canais que trouxe um público disposto a usar estes meios digitais para discutir, comunicar e participar.
 
O diretor teatral e escritor Marcus Faustini ressaltou que a participação social deve sempre ter uma "causa" a ser buscada e defendida, como foi a ideia de democratização da cultura a partir de 2003. Para ele, uma das causas mais urgentes é evitar os cortes nos orçamentos públicos deste ano nas áreas culturais, previstos nos programas de ajuste fiscal. 
 
Os temas debatidos neste bate-papo servirão como base para produção de um documento que incluirá o planejamento de reestruturação do Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC); a definição de um novo modelo de Conferência Nacional de Cultura; e a criação do Gabinete Digital do MinC.
 
Oficina
Durante a oficina, o secretário Vinícius Wu apresentou algumas propostas como divulgar previamente as pautas do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC) para permitir a possibilidade de interação do público com os conselheiros; a abertura de um processo de eleição de integrantes do CNPC via internet; o estabelecimento de cotas nas delegações regionais para a Conferência Nacional de Cultura; a instituição de algum grau de decisão sobre o orçamento, a utilização do futuro gabinete digital para consulta pública sobre projetos de lei, entre outras. 
 
Os participantes contribuíram no sentido de se certificar sobre a efetividade da participação social como base para as construções de políticas públicas para a cultura. Além disso, a participação se daria em todo o processo: da concepção, passando por monitoramento até execução. 
 
As propostas serão reunidas em um documento que será em breve disponibilizado nos canais de comunicação do MinC.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
 



Nenhum comentário: